Polícia indicia profissionais de asilo em Pinhalzinho

Três funcionários, incluindo o responsável pela instituição, foram indiciados por lesão corporal culposa e omissão de socorro

A Polícia Civil de Pinhalzinho indiciou três pessoas por crimes contra um homem que estava internado e acabou morrendo em um asilo em Pinhalzinho, no Oeste de Santa Catarina. O responsável pelo asilo, a enfermeira que cuidava do paciente e o médico foram indiciados por lesão corporal culposa e omissão de socorro.

Polícia Civil de Pinhalzinho indicia três pessoas por neglicência – Foto: Polícia Civil de SC

De acordo com a polícia, os fatos ocorreram em 2016. Um homem, com 40 anos na época, esteve internado por cerca de cinco meses no asilo. Depois, ele foi transferido pela família a outro lar, desta vez em Cunha Porã. Lá, foi possível constatar a situação de saúde do homem, e foi quando iniciaram as investigações.

A Polícia Civil constatou que a negligência dos profissionais causou sérias lesões pelo corpo da vítima. O paciente havia sido internado por sofrer de depressão e doença de Parkinson e necessitar de cuidados constantes, mas faleceu alguns meses depois.

Porém, ainda segundo a polícia, a situação foi agravada durante a internação, quando ele começou a apresentar graves feridas pelo corpo, algumas delas medindo mais de 10 centímetros, além de subnutrição.

De acordo com a perícia, as feridas foram provocadas por falta de cuidados básicos (negligência) e provavelmente imperícia dos profissionais de saúde responsáveis. Depois que o homem foi transferido para Cunha Porã, a situação dele começou a melhorar.

+

Polícia