Polícia ouve envolvidos em suposto sequestro de criança por motorista de app em BC

DPCami investiga o caso; inquérito policial deve ser concluído até segunda-feira (1º) e encaminhado à Justiça

A DPCami (Delegacia de Polícia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso) já ouviu todos os envolvidos e testemunhas no caso de um suposto sequestro de uma criança de três anos, por um motorista de aplicativo, em Balneário Camboriú.

Vídeo mostra momento em que motorista de aplicativo arranca com criança dentro do carro. – Foto: Reprodução/NDVídeo mostra momento em que motorista de aplicativo arranca com criança dentro do carro. – Foto: Reprodução/ND

Até a próxima segunda-feira (1°) o procedimento estará concluído, segundo a delegada Inara Danielle Marques Drapalski, responsável pelo caso, e será encaminhado à Justiça ainda na próxima semana.

Relembre

O caso repercutiu depois que imagens de câmeras de segurança circularam pelas redes, mostrando o momento em que o motorista chega para buscar a família, mas se recusa a levar os passageiros e arranca com o carro, com o menino de três anos dentro. A família corre atrás do veículo.

As imagens circularam nas redes sociais como uma tentativa de sequestro. Tanto o motorista, de 45 anos, quanto a família, que é de Goiás e veio para Balneário Camboriú passar as férias, fizeram boletim de ocorrência. O motorista entrou em contato com a Polícia Militar e contou sua versão dos fatos.

Segundo o relato da família, houve perseguição e o motorista só teria parado devido ao trânsito. À PM (Polícia Militar), o motorista informou que não percebeu que a criança estava dentro do carro, e parou metros a frente.

A PM afirma que entrou em contato com a família, fato que também é desmentido pelo avô. “A PM não nos procurou. Em nenhum momento a PM foi solidária com a nossa família. Somos turistas de Goiás, investimos nossos recursos para férias”, lamenta o avô do menino, Dilson Resplandes Santos.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Polícia