Presidente de partido político e gerente de empresa são presos em Operação

Cristiano Panstein, responsável pela C.R.P Comércio de Papel e presidente estadual do Patriota, foi preso em Operação da Polícia Civil nesta quinta-feira; Rafael Ferreira foi detido em Uruguaiana

Em uma operação de combate à corrupção deflagrada pela Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (29), o responsável pela C.R.P Comércio de Papel/ Alfa Imunização, Cristiano Panstein, que também é presidente da Executiva Estadual do partido político Patriota, foi preso em Jaraguá do Sul e encaminhado ao presídio de Blumenau.

Cristiano Panstein, responsável pela C.R.P Comércio de Papel, que tem contratos com o Porto de São Francisco do Sul –  Foto: Arquivo/Divulgação

Além dele, Rafael Ferreira, gerente do braço da C.R.P Comércio de Papel/ Alfa Imunização em Uruguaiana (RS) também foi preso na mesma operação.

Os dois – Cristiano Panstein e Rafael Ferreira – são suspeitos de envolvimento com fraudes em licitações e contratos superfaturados. Rafael foi preso em flagrante por posse de arma de fogo, que estava raspada, segundo a polícia.

A operação foi encabeçada pela 4º Delegacia Especializada no Combate à Corrupção de Blumenau, com apoio da 5º Decor-Deic, da DIC, da Dpcami e da 1º DP de Blumenau, além do Draco do Rio Grande do Sul e foi batizada “Pombo de Ouro” em menção direta aos contratos da Alfa Imunização, com suspeita de superfaturamento.

Foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão em residências, empresas e escritórios de contabilidade em Jaraguá do Sul Guaramirim, Balneário Camboriú, além de Uruguaiana (RS). Foram apreendidos documentos e equipamentos eletrônicos, como celulares e notebooks, além de três veículos de luxo, avaliados em R$ 800 mil. Ao final do processo, os carros poderão ser transformados em recursos ao Estado.

Três carros de luxo foram apreendidos avaliados em cerca de R$ 800 mil  – Foto: Celso Renner/Polícia Civil

A Polícia Civil também realizou operação na casa do ex-diretor presidente do Porto de São Francisco do Sul, Diego Machado Enke, onde foram apreendidos documentos, celulares e computadores. Neste momento, Enke é apenas investigado.  A Polícia irá analisar todo o material recolhido para depois pedir o indiciamento ou não dos envolvidos.

Segundo denúncias trazidas à tona em uma série de reportagens pelo Grupo ND e que motivaram a investigação da Polícia Civil e Ministério Público, a SCPar Porto de São Francisco do Sul contratou, em março deste ano, com dispensa de licitação, a Alfa Imunização e Serviços Eireli – ME para fazer serviços de desinsetização, desratização, controle de larvas em coleções de águas paradas, controle da fauna, sinantrópica nociva (pombos) nas dependências do Porto de São Francisco do Sul pelo valor de R$ 2.109.561,50. Ocorre que essa mesma empresa havia sido contratada, em julho de 2018, em pregão presencial, pelo valor de R$ 590 mil para fazer os mesmos serviços para o porto.

Além da Alfa Imunização, cujo responsável é Silvestre Panstein, pai de Cristiano, a C.R.P tem contratos desde de 2015 com o Porto de São Francisco do Sul.

Segundo a Polícia Civil, as irregularidades ocorriam desde 2018, mas o caso veio à tona este ano, após as denúncias do Grupo ND. 

Além dos fortes indícios de fraudes em licitações e superfaturamentos em contratos, a polícia constatou que parte dos serviços não era prestada.

O prejuízo estimado aos cofres públicos foi de aproximadamente R$ 1.180.000, isto resultado dos contratos superfaturados, explicou o delegado  Lucas Almeida, responsável pela Operação.

Já em Uruguaiana, a C.R.P Comércio de Papel tinha contrato com a Prefeitura local no valor de R$ 97.130,00 mensais firmado em 2017 para varrição de ruas e outros trabalhos de limpeza.

Rafael Ferreira chegou a ser secretário de Infraestrutura da Prefeitura de Uruguaiana, no atual mandato, mas saiu depois para se dedicar à empresa.

Rafael Ferreira, responsável pelo braço da C.R.P no RS foi detido pela Polícia Civil, em Uruguaiana – Foto: Redes Sociais

O delegado Lucas Almeida explicou, ainda, que durante a operação foram detectados fortes indícios de lavagem de dinheiro e financiamento de caixa 2, para campanhas políticas a fim de obtenção de contratos públicos.

Contrapontos

A reportagem do ND+ entrou em contato com Cristiano Panstein, Rafael Ferreira e Diego Machado Enke, mas até a publicação desta reportagem não havia recebido retorno.

Tentou também falar com a executiva estadual do Patriota, também sem sucesso.

A SCPar Porto de São Francisco do Sul se manifestou por meio de nota oficial (abaixo, na íntegra). Nela, explica que atual gestão adotou novas práticas de governança e controle interno a fim de aprimorar os processos de contratação. Disse, ainda, que está colaborando com as investigações.

+

Polícia