Quadrilha usa “boa noite, Cinderela” para dopar vítimas e roubar dinheiro por Pix

Golpistas se aproximam da vítima, oferecem bebida, dopam e roubam pertences e realizam transferências através do aplicativo; veja dicas para evitar o golpe

Quadrilhas são investigadas por usar o golpe do “boa noite, Cinderela” para dopar pessoas durante festas e roubar dinheiro através de transferências por Pix em São Paulo.

Polícia destaca que diminuir o limite é um dos pontos para evitar o golpe – Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil/NDPolícia destaca que diminuir o limite é um dos pontos para evitar o golpe – Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil/ND

De acordo com informações do R7, a incidência aumentou no mês de novembro com o retorno das festas e shows em praticamente todo o Brasil. O golpe é antigo e envolve o uso de drogas na bebida da vítima para ficar inconsciente. Em seguida, os bandidos roubam os bens e valores.

As drogas utilizadas costumam ser medicamento legais, por exemplo, benzodiazepínicos ou ilegais, como cetamina- um anestésico de uso animal que tem efeito dissociativo.

Entre as vítimas, está um empresário, 35 anos, que teve um prejuízo de mais de R$ 16 mil. Na ocasião, a vítima saiu com amigos durante o feriado de 15 de novembro e conheceu um rapaz na balada, mas acordou em casa no dia seguinte.

Ele não encontrou celular, o notebook e a carteira. Segundo ele, a sua memória demorou a voltar e mal conseguia sair da cama.

“Primeiro pensei que tivesse perdido o celular na balada, fui pegar o computador para ver se conseguia localizar [o aparelho], mas também não encontrei. Ai comecei a perceber que tinha algo de errado”, relata o empresário que preferiu não se identificar.

Em seguida, ele pediu ajuda para uma amiga que mora no mesmo prédio e conseguiu bloquear o celular. Além disso, acessou as imagens das câmeras do condomínio, que mostram ochegando acompanhando de um rapaz e indo embora sozinho cerca de 1h30 depois.

Golpe em plena luz do dia

Um americano que vive no Rio de Janeiro, mas que estava de passagem por São Paulo, foi mais uma das vítimas da quadrilha que aplica o golpe usando o “boa noite, Cinderela”.

O homem, que prefere não se identificar, disse que voltava da academia quando tudo aconteceu.

“Eu tinha um shake de whey que comprei do lado da academia, estava bebendo e fumando um cigarro em um banco. Um cara chegou em mim falando sobre um aplicativo de bicicleta com o qual ele estava tendo problema para cadastrar”, relata.

Segundo ele, os dois começaram a conversar, o homem ofereceu para buscar um cigarro de palha, mas que o assaltante não fumou, e duas garrafas de bebida.

“Ele voltou com essas duas garrafas de G&T, que estavam fechadas, eu abri as duas garrafas, dei a primeira a ele e a segunda eu bebi. O parque fecha às 18h e a gente estava indo embora. Estávamos batendo um papo legal ainda, ficamos embaixo do Masp. Aí eu começo a não lembrar o que aconteceu realmente”, relembra o homem.

Ele ainda relata que foi pedir cobrar uma comida em um restaurante que fez um pedido, mas não encontrou o bilhete. Foi neste momento que não encontrou o celular, o cartão e acabou desmaiando. Além disso, ele teve alucinações e ficou vagando pelas ruas de São Paulo até ser abordado por um casal que desconfiou que o rapaz estivesse drogado. Além do celular, mais R$ 400 foram gastos no seu cartão de crédito.

Quadrilhas são estruturadas

O delegado Roberto Monteiro, da 1ª Delegacia Seccional de Polícia, alerta que cada vez mais os criminosos aplicam o golpe e usam o Pix para roubar dinheiro das vítimas.

Ainda segundo o delegado, duas operações foram realizadas para desarticular quadrilhas especializadas neste tipo de golpe durante o ano de 2021.

Na primeira, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão e um de prisão. Na segunda, oito mandados de busca e apreensão e um de prisão.

Monteiro explica que as quadrilhas são estruturadas. A pessoa que aborda a vítima na casa noturna não é a mesma que vai dar sequência aos crimes.

Como evitar o golpe

O delegado destaca que não é apenas na parte da noite que acontece esse tipo de golpe. Mas que diversos casos foram associados a aplicativos de paquera durante o período que os bares e casas noturnas estavam fechadas.

“Eles [criminosos] marcam um encontro, geralmente na casa da vítima, e aí aplicam esse boa noite, Cinderela. […] Quem está praticando o roubo acaba induzindo a erro, fala que vai fazer uma bebida para os dois”, complementa.

No Ceatox (Centro de Assistência Toxicológica) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, percebeu-se o aumento dos relatos de idosos vítimas desse tipo de roubo.

Algumas dicas para evitar cair nesse golpe são:

-Jamais leve estranhos para a sua casa, ou até mesmo hotéis e motéis;

-Em bares ou casas noturnas, jamais aceite bebidas de outras pessoas;

-Desconfie de pessoas que demonstrem interesse excessivo;

-Pegue o contato da pessoa e marque para revê-la em outra oportunidade;

-Reduza seus limites de transferência pelo Pix.

+

Polícia

Loading...