Rapaz vítima de estupro coletivo em Florianópolis recebe alta

Jovem passará por acompanhamento psicológico; caso foi submetido a perícias que serão analisadas pela Polícia Civil

O rapaz homossexual que teria sido vítima de um estupro coletivo em Florianópolis recebeu alta do hospital e está em casa com a família. Ele estava internado desde que o crime foi registrado, em 31 de maio, na região Central da cidade.

Polícia Civil investiga o caso de estupro coletivo – Foto: Divulgação/NDPolícia Civil investiga o caso de estupro coletivo – Foto: Divulgação/ND

Informações iniciais recebidas e repassadas pela polícia apontam que homens torturaram e estupraram o jovem, de aproximadamente 22 anos. O corpo dele também foi marcado com palavras homofóbicas.

De acordo com Margareth da Silva Hernandes, advogada e presidente da Comissão de Direito Homoafetivo e Gênero da OAB/SC (Ordem dos Advogados do Brasil), o jovem está bem e passa por tratamento psicológico.

A advogada, que acompanha o caso, se reuniu nesta segunda-feira (7) com a Polícia Civil. Segundo ela, o órgão segue com as investigações e mantém as informações sob sigilo até a conclusão do inquérito policial. Não houve definição de prazo para o encerramento do processo.

“A boa notícia é que ele está bem, em casa e tendo acompanhamento psicológico. No momento, não deseja revelar sua identidade. O processo está correndo sob sigilo tendo em vista que os fatos estão sendo apurados através de perícias, e para não atrapalhar a investigação sobre os autores”, disse Margareth.

Advogada sofreu ataques

Margareth, que também é coordenadora jurídica adjunta da Aliança Nacional LGBTI, foi alvo de ataques de ódio e ameaças após se manifestar sobre o caso nas redes sociais. A advogada pretende registrar boletim de ocorrência e tomar providências judiciais sobre os ataques.

Na última terça-feira (4), a OAB/SC divulgou uma nota de repúdio “ao crime bárbaro” cometido em Florianópolis. A instituição informou que acompanha as diligências realizadas pela polícia e que presta apoio e auxílio jurídico aos familiares da vítima.

Nesta terça, a CDSG (Comissão da Diversidade Sexual e de Gênero) da OAB de Pernambuco publicou uma nota de apoio e solidariedade à advogada catarinense.

A Comissão disse repudiar “veementemente a violência praticada contra o jovem e contra a advogada” e acrescentou que “espera das autoridades competentes, rigorosa apuração” quanto aos crimes praticados.

Manifestação contra homotransfobia

O caso do jovem homossexual motivou uma manifestação pelo fim dos crimes de homostransfobia. O ato foi convocado pelo grupo Mães pela Diversidade de Santa Catarina. Marcada para às 14h do próximo sábado (12), a manifestação ocorrerá no Largo da Catedral, no Centro de Florianópolis.

Em entrevista ao ND+, Jocinéia de Jesus, que faz parte do grupo, disse que a caminhada quer mostrar que as pessoas e entidades estão chocadas com mais uma violência contra LGBTQIA+.

“Nós não vamos nos conformar e aceitar esse tipo de situação sem que haja uma resolução. É inadmissível que, em pleno século 21, a gente tenha que conviver, todos os dias, com essa preocupação: se nossos filhos vão voltar para casa com segurança”, afirmou.

O ato também pede celeridade na conclusão do caso, além de respeito e empatia pelas pessoas LGBTQIA+, que são vítimas frequentes de violência.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia