Sobrinho de Genivaldo de Jesus fala, após morte na viatura: ‘Começaram a chutar os pés dele’

Genivaldo tinha 38 anos, dos quais 20 foram vivendo com esquizofrenia; morador de Umbaúba, no Sergipe, ele fazia uso de medicações controladas

O atestado de óbito de Genivaldo de Jesus Santos confirmou que a morte do homem foi causada por asfixia mecânica, na última quinta-feira (26), após ser deixado dentro de uma viatura da PRF (Polícia Rodoviária Federal), na qual foi jogada um dispositivo de gás, ainda não identificado. Nesta sexta (27), o sobrinho da vítima, Wallyson de Jesus, falou sobre o caso. As informações são do portal R7.

Vídeo mostra momento em que Genivaldo foi morto por policiais – Foto: Internet/Reprodução/NDVídeo mostra momento em que Genivaldo foi morto por policiais – Foto: Internet/Reprodução/ND

“Começaram a chutar os pés dele e ele perguntando o que tinha feito, o que tinha de errado para estar merecendo aquilo”, disse Wallyson de Jesus.

Genivaldo tinha 38 anos, dos quais 20 com esquizofrenia. Morador de Umbaúba, no Sergipe, ele fazia uso de medicações controladas.

Minutos antes das gravações do vídeo, ele transitava na BR-101, de bicicleta, quando foi abordado em uma blitz da PRF. Após o contato com os policiais, ele foi colocado à força no porta-malas da viatura onde o gás foi jogado.

“Pegaram a granada, jogaram por baixo do porta-malas e explodiu lá dentro. Os populares ao redor, ninguém aguentou com aquilo ali e saiu todo mundo de perto. Quando ele desmaiou, jogaram os pés dele para dentro e fecharam a porta com ele lá dentro”, revelou Wallyson.

Na ocasião, o vídeo divulgado na internet com a cena capta os gritos da vítima dentro da viatura. O homem morreu dentro do carro. Antes de ser colocado na viatura, ele havia sido algemado pelos agentes.

Genivaldo ainda foi levado ao hospital pelos próprios policiais, mas já estava morto.

“Meu sobrinho estava no local, foi em frente à oficina do meu sobrinho, todo mundo que chegava. ‘Rapaz, não faça isso não, ele é conhecido, ele tem problemas mentais, toma remédio controlado’, dizia. Eles não queriam nem saber, queriam era matar”, disse um familiar de Genivaldo.

+

Polícia

Loading...