Tio é suspeito de estuprar menina de 10 anos em Joinville

Crime aconteceu na casa da mãe da criança, em Pirabeiraba, no domingo (25); suspeito ainda não foi detido

Mais um caso de estupro de vulnerável está sendo investigado em Joinville, no Norte de Santa Catarina. A mãe de uma menina de 10 anos acusa o tio, de 36 anos, de abusar sexualmente da filha no último domingo (25), no bairro Pirabeiraba. “Ele mexeu completamente com o psicológico dela, acabou com a vida de criança dela”, fala.

Equipes da Dpcami investigam o caso que aconteceu nesta domingo (25), no Centro da cidade – Foto: Divulgação/ND

Segundo ela, o tio foi flagrado abusando da garota na casa da família. Ela conta que a menina já havia feito reclamações, mas sem provas e orientada pelo resto da família, a mãe não levou a denúncia à frente. Até que no domingo, ela mesma teria flagrado o tio abusando da filha.

“Estávamos em casa recebendo um casal de vizinhos, comendo, jogando baralho e as crianças estavam brincando. Quando senti falta da minha filha, meu tio tinha ido ao banheiro, eu fui atrás e peguei ele em flagrante no quarto da minha mãe, lá nos fundos, mexendo na minha filha, com a mão dentro da calcinha dela, molestando ela”, conta.

Ela diz, ainda, que a filha entrou em desespero. “Ela berrava: eu falei pra você parar, eu falei pra você parar, por que você não saiu daqui? Vai embora daqui”, diz. O tio teria fugido de carro.

De acordo com a mãe, a menina já havia feito reclamações e mudou o comportamento nos últimos meses. “Ela mudou bastante, não fala com ninguém, não se alimenta direito. Eu acho que é assim pelo que aconteceu com ela. Ela reclamou, disse que ele mexia com ela, mas não tínhamos provas e agora eu vi com meus próprios olhos”, fala.

A mãe da garota registrou o caso ainda no domingo na Central de Plantão Policial e, nesta segunda-feira (26) foi ouvida na Dpcami (Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso). 

A delegada Débora Mariani Jardim explica que a menina será ouvida por uma equipe especializada acompanhada de psicólogos. “Daremos toda a atenção para que ela não sofra ainda mais prejuízos”, diz. Ela ressalta, ainda, que ouvirá a mãe, a menina e solicitar todas as provas e perícias necessárias. “Tudo depende do que ficar comprovado, mas o fato que inicialmente se desenvolve é o crime de estupro de vulnerável, a depender do caso pode ser feito o pedido de medidas cautelares”, finaliza.

+

Polícia