Traficantes executados com 54 tiros

Matadores estacionaram o Corsa no asfalto e caminharam por um vegetação rasteira até uma casa, onde as vítimas vendiam drogas e lanchavam

Três jovens envolvidos no tráfico de drogas foram fuzilados com 54 tiros na rua Vista Alegre, bairro com o mesmo nome, numa área rural de São José.  Raul Gil da Silva Matos, 22, foi atingido com 14 tiros; Ismael Caetano da Luz, 21, recebeu 17 tiros; e Edmundo Tiago Fernandes, 17, executado com 23 tiros. Os jovens foram mortos pelas costas, por volta das 22h30 de quarta-feira. No local,  os policiais apreenderam 53 pedras de crack, cinco trouxinhas de maconha e dois celulares.

Um das linhas de investigação da polícia é vingança. “Ismael, o Bio, comandava o tráfico na região. No  dia 19 de março último, ele matou Douglas Moraes de Resende, o Mineiro, natural de Criciúma, que  estava morando em São José e que tentou abrir um ponto de drogas nos domínios de Bio”, contou um PM do 7º BPM. 

Testemunhas contaram que os suspeitos chegaram em um Cosa preto e deixaram o carro, com placas de Criciúma, no asfalto. Caminharam por uma vegetação rasteira, onde os três estavam vendendo drogas numa casa de madeira em construção e abriram forgo. Raul Gil, Ismael Caetano e Tiago Fernandes correram para a rua e foram mortos pelas costas. Os três moravam nas proximidades onde ocorreu o triplo homicídio.

O crime assustou a comunidade, que vive ameaçada pelo tráfico de droga. Moradores são proibidos pelos traficantes de falar sobre o clima “pesado” do bairro. Na quinta-feira de manhã, a revolta era estampada nos rostos dos colegas das vítimas. Mais de 30 jovens fecharam a rua. Alguns faziam questão de mostrar a arma na cintura, intimando jornalistas que procuravam informações e proibindo fotografar o local da cena do crime.

Apenas um morador teve coragem de relatar o terror da noite: o aposentado Darci dos Santos, 60 anos,  que mora a 50 metros do local onde os jovens foram mortos, disse estava em casas com a mulher e a netinha quando ouviu vários tiros.  “Deu para perceber, nitidamente, três rajadas. Como não sabíamos de onde vinham os disparos pedi para minha mulher e  prara a netinha se deitarem no assoalho. Os meninos estavam fazendo um lachinho quando foram  fuzilados”.

Os suspeitos lanchavam e vendiam drogas na sala da casa de madeira em construção. Nos bolsos de Ismael, o Bio, que controlava o ponto de drogas, havia R$ 90 em notas de 5, 10 e 20 reais, possivelmente adquiridas com o tráfico de drogas.

O triplo assassinato está sendo investigado pela 1ª DP de São José. De acordo com o investigador Ricardo Sagaz, todos os três possuiam passagens policiais. Com exceção do adolescente, que era envolvido em furtos e porte ilegal de arama, os adultos eram investigados por roubo, homicídios e tráfico de drogas.

Com estes três assassinatos, o número de homicídios na região da 1ª DP de Forquilhinhas, que cobre a área rural de São José, subiu para 14 ocorrências, Deste total, apenas três foram resolvidos. Para investigar e prender criminosos, a delegacia conta apenas com dois investigadores. Um está em férias.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Polícia