Tragédia familiar: sargento foi morta na frente dos filhos e atendida pelo irmão

Regiane Miranda foi morta a tiros pelo seu ex-companheiro em frente aos filhos de 3 e de 7 anos; atos fúnebres serão marcados por homenagens da corporação

Acontece a partir das 3h desta terça-feira (14) o velório da sargento Regiane Miranda, 37 anos, morta a tiros pelo seu ex-companheiro. O ato fúnebre, que dá início a uma série de homenagens à policial militar, será realizado no ginásio Ideal Esporte Clube, localizado no Centro de Forquilinha.

Regiane Miranda foi morta em casa pelo ex-companheiro – Foto: Reprodução/Facebook

Tragédia. Não só pelo ato, em si, mas o contorno do crime registrado na manhã desta segunda-feira, no Sul de Santa Catarina. Regiane Miranda, após uma discussão com seu ex-côjunge, foi morta a tiros em frente aos filhos do casal de 3 e de 7 anos. O autor dos disparos, logo após, tirou sua própria vida.

Como se não bastasse tamanha estupidez em frente aos próprios filhos, o primeiro policial a atender a ocorrência foi o irmão da vítima que, por residir perto, ouviu os disparos e imediatamente se deslocou ao endereço no bairro Vila Lourdes.

Outro detalhe que chama a atenção ao redor do crime, é que Regiane Miranda foi a responsável por implantar, no município, o programa de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica, a Rede Catarina.

Sargento homenageada

Os atos fúnebres começam às 3h desta terça-feira onde Regiane será velada até às 9h45, hora marcada para o sepultamento. A PM, no local do velório, vai realizar seus atos militares às 9h.

A corporação ainda convocou todo o efetivo para que, às 9h30, se posicionem em frente aos quartéis ou qualquer local que ofereça visibilidade, para prestarem a última continência a militar.

Entenda o caso

Regiane Miranda foi morta a tiros, na manhã desta segunda-feira, pelo ex-companheiro que, logo após praticar o feminicídio, se suicidou. Conforme repassado pela Polícia Militar, eles haviam se separado há pouco tempo e uma suposta discussão teria sido decisiva para o delito.

Regiane ingressou na Polícia Militar em 2004  foi por muitos anos instrutora do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência). Segundo nota da corporação, ela atuava com grande ênfase no policiamento de proximidade. Atualmente, a sargento estava lotada na guarnição da Polícia Militar de Forquilhinha.

+

Polícia