Três pessoas são presas acusadas de apologia ao ataque a creche de SC

Prisões foram deflagradas em São Paulo, depois que a Polícia Civil descobriu elementos enaltecendo o ataque a creche no município de Saudades, Oeste de SC

A Polícia Civil deteve três pessoas nesta quinta-feira (10), em São Paulo, por suspeita de apologia ao ataque ocorrido na creche do município de Saudades, Oeste de Santa Catarina, registrado no início de maio. Duas professoras morreram além de três bebês.

Creche localizada em Saudades, no Oeste de SC; pessoas foram flagradas “aplaudindo” a tragédia – Foto: Secom/Divulgação/NDCreche localizada em Saudades, no Oeste de SC; pessoas foram flagradas “aplaudindo” a tragédia – Foto: Secom/Divulgação/ND

Os mandados de buscas e apreensão foram cumpridos em diversos endereços na capital paulista e em Guarulhos e Jandira, na Grande São Paulo, em ação conduzida pela Divisão de Proteção à Pessoa do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

Dos cinco alvos da ação, três foram detidos. Os três suspeitos foram levados para averiguação da Polícia Civil de São Paulo. Aparelhos eletrônicos como computadores, celulares e notebooks foram apreendidos para dar seguimento às investigações.

A operação foi desencadeada a partir de uma investigação do FBI (Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos), que repassou o caso para as autoridades no Brasil.

A investigação começou com o rastreio de postagens nas redes sociais enaltecendo o ataque.

Segundo o delegado Fábio Pinheiro, diretor do DHPP, também foram localizadas conversas e publicações suspeitas nas redes sociais dos envolvidos. Em uma das mensagens, inclusive, um deles diz ainda não ter realizado um ataque por conta da pandemia. O delegado também relata que os três têm um perfil introvertido.

Ainda de acordo com o delegado, foi feito o pedido de prisão temporária dos trio por associação criminosa.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia