Vereador de Itajaí é conduzido pela polícia após ser acusado de atirar contra inquilina

Polícia Civil esteve na Câmara de Vereadores na tarde desta terça-feira (14) e conduziu o parlamentar até a casa dele

Uma polêmica tomou os corredores da Câmara de Vereadores de Itajaí nesta terça-feira (14). A Polícia Civil foi atrás do vereador Vanderley Dalmolin (MDB) após uma denúncia de que o parlamentar havia atirado contra uma inquilina.

Vereador é conduzido pela polícia após ser acusado de atirar contra inquilina – Foto: CVI/Reprodução/InternetVereador é conduzido pela polícia após ser acusado de atirar contra inquilina – Foto: CVI/Reprodução/Internet

Segundo informações da assessoria do vereador, repassadas à NDTV, a família de Dalmolin aluga uma casa e o inquilino não estaria pagando o aluguel. Dias depois de ter conversado com os inquilinos, uma pessoa atirou contra uma mulher que mora na casa. O tiro pegou de raspão na vítima.

A vítima, então, teria acusado o vereador de ter dado o tiro, em função da conversa anterior referente ao aluguel. A assessoria do vereador, no entanto, afirmou que não foi Dalmolin que deu o tiro, e que a acusação foi para “manchar a imagem dele”.

A polícia foi até a Câmara atrás do parlamentar, que foi levado até sua casa, onde os oficiais fizeram buscas. Não foi informado se algo foi encontrado.

O vereador compartilhou seu posicionamento sobre o assunto na internet:

Na data de hoje estiveram em meu gabinete parlamentar, bem como, em minha residência agentes da Polícia Civil, realizando diligências no sentido de busca de possível armamento, uma vez que com o intuito de atingir minha honra estou sendo acusado levianamente de disparo de arma de fogo de forma injusta.

Conforme depoimento já prestado na delegacia meses há trás, no momento em que ocorreu o disparo no terreno vizinho a de meus pais, eu estava em um aniversário, havendo inclusive filmagens, fotografias e testemunhas, não havendo qualquer possibilidade de eu ter praticado referido ato.

Entendo que o ato realizado tratou-se de abuso de autoridade, o qual será apurado e adotada as devidas medidas cabíveis.

A calúnia dirigida a minha pessoa tem cunho único e exclusivo de atingir minha honra e de minha família, principalmente na tocante questão política, uma vez que não há nada que me desabone em toda minha vida pregressa.

Acredito que a Polícia Civil terminará a investigação, demonstrando assim, não haver qualquer participação de minha pessoa no referido ato.

*Com informações do repórter Paulo Metling, da NDTV

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...