VÍDEO: Após apelo da população, homem que espancou mulher na rua em Bombinhas é identificado

Além da população que viralizou as imagens do homem espancando a mulher, o prefeito da cidade e outras autoridades apelaram para que o agressor fosse identificado e responsabilizado

Justamente no dia 8 dia de março, Dia Internacional da Mulher, imagens de um homem espancando uma mulher no bairro Bombas em Bombinhas, Litoral Norte de Santa Catarina, repercutiram nas redes sociais, criando um apelo da população e autoridades para que o agressor fosse identificado.

O prefeito da cidade, Paulo Muller, o Paulinho (DEM), emitiu uma nota na qual repudiou as agressões contra a mulher e prestou solidariedade à vítima, pedindo celeridade nas investigações da polícia.

Imagens de um homem espancando uma mulher nas ruas de Bombinhas repercutiram e motivaram comoção da população – Foto: Reprodução/InternetImagens de um homem espancando uma mulher nas ruas de Bombinhas repercutiram e motivaram comoção da população – Foto: Reprodução/Internet

A deputada Estadual Ana Paula da Silva, a Paulinha (sem partido), também repudiou as agressões as quais se referiu como um “ato de selvageria e covardia contra a mulher”.

“No mês em que comemoramos conquistas para as mulheres, o que vimos choca ainda mais. Quero deixar toda minha solidariedade à vítima. Vamos cobrar com firmeza as autoridades competentes agilidade na apuração desse caso que nos causa revolta extrema”, assegurou a deputada.

Agressão na rua de Bombinhas repercute na internet em pleno dia internacional da mulher – Vídeo: Reprodução/Internet

Diante da comoção, as Polícias Militar e Civil se uniram para identificar o homem e a vítima. Na tarde desta quarta-feira (9), o agressor foi identificado e foi confirmado que as agressões ocorreram no último domingo (6), na avenida Falcão.

Apesar de identificado, o homem ainda não foi localizado pela polícia e não tem passagens policiais, ele vai responder por lesão corporal se a vítima, que ainda não foi identificada, representar formalmente a denúncia.

De acordo com Ricardo Melo, delegado responsável pelo caso, a vítima não procurou a delegacia ou rede de proteção para denunciar e ser atendida. “Não há registros na rede de saúde sobre atendimento, acionamento da Polícia Militar por meio do 190 ou denúncia por meio do 181, o que torna também mais difícil para identificar a vítima”, explicou.

O delegado defendeu a necessidade de que a mulher denuncie as agressões. “Precisamos que a mulher nos procure para dar continuidade ao procedimento”. Melo acrescentou que, a princípio, não há vínculo afetivo entre a vítima e o autor, não sendo identificada até o momento a motivação do crime.

Relembre o caso

Em pleno Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta terça-feira, 8 de março, imagens de uma mulher sendo espancada na avenida Falcão, bairro Bombas, em Bombinhas, no Litoral Norte de Santa Catarina, repercutiram na internet.

De acordo com informações de moradores da região, a agressão ocorreu no último domingo (6). As polícias Civil e Militar apuram o caso e buscam identificar o agressor e a vítima.

Por meio de nota, a Polícia Militar informou que recebeu o vídeo também nesta terça-feira. “Ninguém soube nos dizer quando foi o fato, não sabemos se tem relação com alguma ocorrência que nós atendemos. Estamos tentando descobrir, trabalhando com a Polícia Civil”, explicou o tenente Joubert.

O vídeo começa com a mulher caída no chão e o homem puxando a blusa dela, chegando a expor suas roupas íntimas. Ele segura a vítima pela blusa e  desfere sucessivos socos nela. Um outro rapaz, de bicicleta, aparece na cena.

O homem continua agredindo a mulher, agora com chutes. É possível ouvir as pessoas gritando para ele parar com as agressões. A vítima segue deitada no chão, quando outra mulher aparece e insiste para que ele pare.

O agressor volta a dar um chute no rosto da mulher e o rapaz que presencia a ocorrência fica entre ele e a vítima para evitar que as agressões continuem. O agressor, então, grita “ela me bateu” e tenta se desvencilhar.

Canais de denúncia

As denúncias de violência contra a mulher podem ser feitas por meio do Ligue 180 e de canais locais, de forma anônima. Qualquer pessoa pode acionar o serviço, que funciona diariamente, 24 horas, incluindo sábados, domingos e feriados.

O serviço cadastra e encaminha os casos aos órgãos competentes. Além disso, as delegacias estaduais também receberão denúncias presenciais.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Diversa+ na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...