Assassinato de grávida em Canelinha foi planejado, revela delegado

Segundo o delegado responsável pelas investigações, suspeita afirmou que planejava o crime há meses após perder o seu bebê durante a gravidez

O assassinato da jovem grávida, encontrada morta, sem o bebê no ventre, nesta sexta-feira (28), chocou Santa Catarina. Segundo o delegado da Polícia Civil de Tijucas, Paulo Alexandre Freyesleben e Silva, que investiga o caso, a principal suspeita confessou que planejava o crime e que a “simulação” do parto foi para não “desapontar os familiares que esperavam pela sua gravidez”.

Em vídeo gravado para a reportagem do nd+, o delegado Paulo Alexandre detalhou a dinâmica do crime baseado nas investigações e relatos da suspeita.

“Houve uma conversa inicial no qual ela negou e depois confirmou o crime para a Polícia Militar, Polícia Civil e no interrogatório sobre os fatos. Em seguida, ela disse que isso vinha sendo planejado há cerca de dois ou três meses e que tinha simulado essa gravidez porque havia perdido seu bebê no início [da gestação] e não queria desapontar os familiares que estavam com uma expectativa com a vinda da criança”, explicou.

Relembre o caso

O corpo da grávida de 36 semanas, foi encontrada morta pela Polícia Militar na manhã desta sexta-feira (28), em Canelinha, na Grande Florianópolis. A jovem estava desaparecida desde a última quinta-feira (27) .

Segundo a Polícia Civil, a autora do crime convidou a vítima para um chá de bebê, mas, no caminho, desviou do trajeto e entrou em uma fábrica de cerâmica abandonada.

No local, ela usou um pedaço de tijolo para bater na vítima e fazê-la desmaiar. Em seguida, abriu o abdômen da jovem, com a ajuda de um estilete para retirar o bebê.

Após o fato, a autora do crime foi até uma rodovia onde simulou um possível parto. A mulher foi ajudada por populares e levada para um hospital.

A menina recém-nascida, que sofreu cortes profundos nas costas por conta do parto amador, foi transferida para o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, onde recebe os devidos cuidados.

Segundo o delegado Paulo Alexandre Freyesleben e Silva, o marido da suspeita também foi preso por envolvimento no crime.

O nd+ retirou todas as informações sobre a vítima e familiares, para assegurar o sigilo da identidade da criança, como preconiza o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...