Veja o que aponta investigação sobre o assalto a banco em Florianópolis

Indícios apontam que houve uma improvável união de fatores, ocorrendo uma falha estrutural no momento de reabastecimento da agência

A Delegacia de Polícia do Continente iniciou as investigações para entender as circunstância da suposta tentativa de assalto a uma agência bancária do Santander no Estreito, região continental de Florianópolis, na manhã desta segunda-feira (28).

Os primeiros indícios levantados pela investigação apontam que, na verdade, o mais provável é que o ocorrido na agência foi um acidente. Cabe ressaltar, entretanto, que a investigação ainda não foi concluída.

Suposta tentativa de assalto em banco mobilizou forças de segurança em Florianópolis – Foto: Reprodução/Redes Sociais/ND

No dia, por volta das 10h20, a agência passaria por uma recarga de valores nos caixas eletrônicos. Justo neste momento, pouco antes dos contadores entrarem no banco, uma parte de metal fixada ao forro do teto caiu. Imediatamente, os funcionários acionaram a PM.

Até por volta das 13h30 a Polícia Militar realizou varreduras em toda a região. O trânsito foi fechado e mais de 20 agentes encapuzados realizaram inspeção nas ruas e prédios próximos. Nenhum suspeito foi localizado.

A suspeita é que criminosos estariam no telhado aguardando a chegada de um carro-forte. A tática já foi repetida em outros assaltos, como naquele registrado em Balneário Camboriú no último ano.

Assim, o procedimento dos funcionários e da Polícia Militar estão corretos, ressalta o delegado André Marafiga, responsável pela investigação

Laudos do IGP não identificaram violação na construção

Entretanto, os laudos do IGP (Instituto Geral de Perícias) não identificaram indícios de violação, tanto no forro da construção quanto no prédio. “Há indícios de que caiu a parte metálica caiu em razão de uma falha, devido ao peso da estrutura” afirma Marafiga.

Outro fator que contribui para a suspeita de que não houve tentativa de assalto é o fato dos policiais não terem encontrado os suspeitos na construção. “Seria muito difícil fugir do local tão rápido”, ressalta o delegado.

Apesar da Polícia Militar ter encontrado pegadas no teto da construção, ainda não se sabe se elas tem relação com os fatos. “No momento, os elementos apontam para uma situação acidental. Mas ainda realizaremos diligências. A investigação continuará”, conclui.

+

Segurança