Medalhista olímpica de 13 anos participará de etapa do Mundial de Surfe em Florianópolis

Sky Brown conquistou medalha de bronze no skate park, em Tóquio, e fará sua estreia no surfe profissional; outros sete surfistas olímpicos estarão na Praia Mole

A inglesa Sky Brown, de 13 anos, medalhista dos Jogos Olímpicos de Tóquio, é uma das participantes confirmadas na etapa do Circuito Mundial de Surfe, entre os dias 10 e 14 de novembro, na Praia Mole, em Florianópolis.

Sky Brown fará sua estreia no surfe profissional em etapa realizada na Praia Mole, em Florianópolis – Foto: WSL/Divulgação/NDSky Brown fará sua estreia no surfe profissional em etapa realizada na Praia Mole, em Florianópolis – Foto: WSL/Divulgação/ND

Além da dona da medalha de bronze no skate park, outros seis surfistas olímpicos se apresentarão na praia do Leste da Ilha de Santa Catarina. Outro destaque é o havaiano Jackson Dorian, de 15 anos, filho de Shane Dorian.

Florianópolis não sediava uma etapa do Qualifyng Series há cinco anos. Além disso, a Praia Mole voltará a sediar  após 11 anos.

O Billabong apresenta LayBack Pro é o primeiro evento do Circuito Mundial no Brasil após a pandemia do Covid-19, que interrompeu as competições de surfe em 2020.

As inscrições para as etapas do WSL Qualifying Series estão esgotadas, com 144 surfistas no QS 3000 masculino e 32 no QS 1000 feminino.

No total, serão 176 representantes de nove países, incluindo o Havaí de Jackson Dorian e a Inglaterra de Sky Brown.

Grandes nomes do surfe brasileiro e da Argentina, Uruguai, Chile, Peru, Equador e El Salvador, vão disputar os primeiros pontos nos rankings regionais da WSL Latin America, valendo classificação para o WSL Challenger Series de 2022.

“O filho do Shane Dorian, o Jackson, é um dos principais atletas mirins da Billabong. Vai ser o primeiro QS dele e da Sky Brown também, que é uma medalhista olímpica da nossa equipe como o Italo Ferreira, mas só que no skate”, comenta Gustavo Goldman, gerente de marketing da Billabong Brasil.

Atletas olímpicos

Quem também esteve nos Jogos de Tóquio 2020 no Japão e vai se apresentar nas ondas da Praia Mole, são a brasileira Silvana Lima, a peruana Daniella Rosas, a equatoriana Dominic Barona, o argentino Leandro Usuna, o peruano Miguel Tudela e o chileno Manuel Selman.

Silvana Lima é uma das brasileiras que marcarão presença em Florianópolis – Foto: WSL/Divulgação/NDSilvana Lima é uma das brasileiras que marcarão presença em Florianópolis – Foto: WSL/Divulgação/ND

Também estarão prestigiando o retorno da Praia Mole e de Florianópolis ao calendário do WSL Qualifying Series, seis dos 11 brasileiros que disputaram o World Surf League Championship Tour esse ano.

Entre eles, o campeão mundial Adriano de Souza, Yago Dora que é o cabeça de chave número 1 do Billabong apresenta LayBack Pro, Jadson André, Miguel Pupo, Caio Ibelli e Alex Ribeiro.

Além disso, cinco campeões mundiais da WSL na categoria Pro Junior estão inscritos. São eles: Adriano de Souza, em 2003, Caio Ibelli, em 2011, Lucas Silveira, em 2015, Mateus Herdy, em 2018, e o atual campeão, Lucas Vicente.

Na lista dos inscritos, tem cinco campeões mundiais da WSL na categoria Pro Junior, o mesmo Adriano de Souza em 2003, Caio Ibelli em 2011, Lucas Silveira em 2015, Mateus Herdy em 2018 e o atual campeão, Lucas Vicente.

A maioria dos sul-americanos que estava na Europa até a semana passada, disputando classificação para o CT 2022 nas etapas do WSL Challenger Series, vão competir na Praia Mole.

A lista conta com atletas do CT 2021, Yago Dora, Caio Ibelli e Alex Ribeiro, ex-tops da elite, como Alejo Muniz, Ian Gouveia, Jessé Mendes, Willian Cardoso, Michael Rodrigues, Wiggolly Dantas e Silvana Lima, além de João Chianca, Samuel Pupo, Thiago Camarão, Weslley Dantas, Edgard Groggia, Rafael Teixeira, Marcos Correa, Luel Felipe e Summer Macedo, os peruanos Alonso Correa, Miguel Tudela, Daniella Rosas, Sol Aguirre e a equatoriana Dominic Barona.

Praia de Florianópolis volta a sediar etapa após 11 anos

A Praia Mole, em Florianópolis, volta a sediar uma etapa do Circuito Mundial de Surfe depois de 11 anos longe do cenário internacional da modalidade.

Praia Mole voltará a ser palco de etapa do WSL após 11 anos – Foto: WSL/Divulgação/NDPraia Mole voltará a ser palco de etapa do WSL após 11 anos – Foto: WSL/Divulgação/ND

A última passagem do Circuito Mundial pela Praia Mole foi em 2010, com o espanhol Aritz Aranburu e a havaiana Coco Ho festejando os títulos.

“Poder fazer um evento desse porte para Floripa voltar ao calendário mundial, é um sonho sendo realizado não só para nós, mas, principalmente, para todos os moradores, a comunidade do surfe catarinense e o comércio local”, destaca André Barros, pai do skatista Pedro Barros e sócio-fundador da LayBack Beer, empresa que estreará uma etapa na competição.

O LayBack Pro apresentado pela Billabong será o primeiro evento da World Surf League no Brasil, após a pandemia do Covid-19. A última aconteceu em Fernando de Noronha (PE), em fevereiro do ano passado.

O resultado na Praia Mole, vai abrir o ranking regional de 2021/2022 da WSL Latin America, que classificará dez surfistas na categoria masculina e cinco na feminina, para disputar o WSL Challenger Series do ano que vem.

O campeão e a campeã na Praia Mole, largarão na frente na corrida por estas vagas, com 3 mil pontos no ranking masculino e 1 mil no feminino.

“Ficamos felizes em poder retomar as competições de surfe no Brasil por Florianópolis, que é uma cidade tradicional de grandes eventos ao longo dos anos. E, especialmente na Praia Mole, que ficou marcada pela primeira vitória do nosso tricampeão Gabriel Medina no Circuito Mundial”, disse Ivan Martinho, CEO da WSL Latin America.

Florianópolis é a cidade do Brasil que mais promoveu etapas do WSL Qualifying Series. Das 140 realizadas entre 1992 e 2020, 27 aconteceram na capital catarinense e 10 delas na Praia Mole, onde em 2009 o hoje tricampeão mundial Gabriel Medina surgiu para o cenário internacional, como o mais jovem vencedor de uma etapa do Circuito Mundial, com apenas 15 anos de idade.

Foi também na Ilha de Santa Catarina, que aconteceram as primeiras etapas do World Qualifying Series no Brasil, dos homens, em 1992, na Praia da Joaquina, e das mulheres, em 2006, na Praia do Santinho. A Joaquina também sediou o último QS em Florianópolis em 2016.

“Florianópolis sempre foi a capital do surfe no país”, afirmou Ed Pereira, secretário de Cultura, Esporte e Lazer da Prefeitura Municipal da Capital.

World Surf League

Estabelecida em 1976, a WSL (World Surf League) é Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA.

A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Surfe

Loading...