Porto de Itajaí anuncia plano de expansão

Apresentação do plano de expansão reúne comunidade portuária, técnicos do Governo Federal e empresários do ramo de tecnologia, em momento de estudos sobre desestatização do porto

Carlos Olsen, CEO da Global Business Innovation Intelligence; Engenheiro Marcelo Salles, Superintendente do Porto de Itajaí, Carlos Eduardo Bonilha, CEO da Digifort; Thiago Morastoni, Vereador de Itajaí, Fabrício de Melo Carniel, Diretor Técnico e Comercial da Coringa Sistemas Inteligentes de Segurança e Paulo Geraldo Collares Filho, Presidente da Coringa Sistemas Inteligentes de Segurança. Foto/Divulgação

O Município de Itajaí vem se preparando para a desestatização do seu porto, que segundo o cronograma de estudos estabelecido pelo Governo Federal, deve ocorrer em 2022.

Na tarde desta quinta-feira, 3, ocorreu uma reunião no auditório da Superintendência do Porto de Itajaí com a presença da comunidade portuária, lideranças do município, empresários do ramo da tecnologia e integrantes do Programa de Investimentos dos Ministérios da Economia e da Infraestrutura. Na ocasião, foi apresentado o plano de expansão do porto.

O plano tem o objetivo de desenvolver a competitividade no mercado de contêineres de forma contínua, em altos níveis de eficiência e liberdade na exploração do negócio. Dentro do plano está também intrínseco o desenvolvimento das soluções tecnológicas e de inteligência nas cidades, por meio de incentivo à inovação.

Porto cresce, mesmo com dificuldades

Imagem aérea do Porto de Itajaí – Foto: EPL.Gov/DivulgaçãoImagem aérea do Porto de Itajaí – Foto: EPL.Gov/Divulgação

O superintendente do Porto de Itajaí, Marcelo Werner Salles, apresentou o Plano de Expansão, que apesar das dificuldades logísticas que enfrenta, obteve um crescimento de 225% nos últimos três anos. A ideia é aumentar a área do porto de 180 mil m2 para 308 mil2, diante de um extenso esforço da comunidade de Itajaí e região para alcançar o objetivo.

Superintendente do Porto de Itajaí, Marcelo Werner Salles – Foto: DivulgaçãoSuperintendente do Porto de Itajaí, Marcelo Werner Salles – Foto: Divulgação

 “Somos a favor da desestatização do Porto de Itajaí devido a esta necessidade de evolução, numa relação público-privada que seja cada vez mais eficiente, trazendo celeridade aos processos e melhorando toda a nossa região de abrangência”, afirma o superintendente Salles. Com a expansão, a aplicação de novas tecnologias se intensifica.

Redes neurais, o maior avanço mundial

Carlos Eduardo Bonilha, presidente da Digifort – Foto: DivulgaçãoCarlos Eduardo Bonilha, presidente da Digifort – Foto: Divulgação

Para Carlos Eduardo Bonilha, presidente da Digifort, empresa que distribui softwares para mais de 140 países e tem muitos cases em portos, o processo da desestatização também vai colaborar para a ampliação das soluções inteligentes, não somente em segurança, mas em vários aspectos da sociedade.

A Digifort é parceira da Coringa Sistemas Inteligentes de Segurança para o Porto de Itajaí e apoia o processo de ampliação. “Temos as mais variadas tecnologias a oferecer, incluindo reconhecimento facial, de placas de automóveis, dados para análise forense e especialmente redes neurais, algo muito novo, o que há de mais avançado em inteligência artificial no mundo hoje em dia, disse Bonilha.

Com a Coringa, a Digifort foi pioneira em Santa Catarina no projeto Bem-te-vi para a Secretaria de Segurança Pública do Estado, em mais de 180 municípios. “E todo este legado instalado nos dá condição de expandir nossas tecnologias”, diz Bonilha.

Segundo o presidente da Digifort, se existisse um sistema de inteligência com redes neurais no município de Criciúma, as autoridades poderiam ter sido alertadas do grande assalto ocorrido na cidade recentemente e tomado iniciativas mais eficazes, por exemplo.

Inovação para a qualidade de vida

Carlos Olsen, CEO da Global Business Innovation Intelligence – Foto: DivulgaçãoCarlos Olsen, CEO da Global Business Innovation Intelligence – Foto: Divulgação

Para Carlos Olsen, CEO da Global Business Innovation Intelligence, que esteve no evento do Porto de Itajaí, o conceito de inovação é a busca de um nível de digitalização e de conectividade em que os diversos serviços são oferecidos ao cidadão, buscando aproveitar de forma mais eficiente os recursos naturais, financeiros e humanos, proporcionando melhor qualidade de vida para o cidadão, agora e no futuro.

“A gestão pública deve compreender a necessidade de utilizar os ecossistemas de inovação, que são as startups, hoje existentes em SC, no Brasil e no mundo, para a busca de soluções para as demandas existentes”, afirma Carlos Olsen.

Um futuro que chega rápido

Thiago Morastoni, Vereador de Itajaí – Foto: DivulgaçãoThiago Morastoni, Vereador de Itajaí – Foto: Divulgação

O vereador Thiago Morastoni, também presente no evento do Porto de Itajaí, afirmou que o município é referência em SC e no Brasil na busca de soluções inteligentes e que no Porto de Itajaí não deverá ser diferente.

“Itajaí é uma cidade de referência em Santa Catarina e no Brasil e tem se adequado às novas tecnologias para trazer segurança e sensação de segurança ao cidadão. O município está com estudos bastantes avançados para se tornar uma cidade inteligente, com serviços conectados”, afirma o vereador.

Há estudos, por exemplo, para implantação de câmeras com reconhecimento facial, identificação de placas de veículos e outras funcionalidades. Possibilitando identificação rápida de suspeitos por meio da triangulação de informações e solucionando crimes com mais agilidade. A sensação de segurança reflete diretamente na qualidade de vida das pessoas, no turismo e, consequentemente no crescimento ordenado.

Inovação para desenvolver todos os setores

Lembra Morastoni, que em Itajaí está estabelecida uma das maiores universidades privadas do país, há um Centro de Inovação sendo inaugurado em breve e muito planejamento na área de inovação. O Município se preocupa em criar soluções inteligentes para que o crescimento da cidade impacte apenas positivamente a vida dos munícipes.

“É importante lembrar que inovar não é uma ação relacionada apenas à tecnologia. Muito pode ser feito em diferentes áreas e Itajaí tem incentivado a inovação em todas elas”, diz Morastoni.

Perguntado se acredita que o processo de desestatização do Porto de Itajaí vai intensificar os investimentos em tecnologias inovadoras, o vereador responde que sim.

“Aliás essa é uma das principais prerrogativas para a desestatização do Porto de Itajaí: investimento em novas tecnologias e inovação. Isso vai possibilitar ampliar a eficiência da atividade portuária e, assim, aumentar a movimentação de containers”.

“O Centro de Inovação será de extrema importância não só para Itajaí como para toda a região, tornando-a referência no fomento ao desenvolvimento. Será um polo que concentrará diversas empresas e startups que têm como foco desenvolver processos, produtos e estratégias inteligentes e sustentáveis. Além disso, cria por si só uma nova matriz econômica para o município. Será um verdadeiro celeiro de boas ideias e aprendizado”, finaliza Morastoni.

Acesse e receba notícias de Itajaí e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Tecnologia