Produção de energia solar no Brasil pode ser uma das maiores do mundo até 2030

Cenário de constante expansão da tecnologia no país mostra potencial para estar entre os maiores produtores em 10 anos. Mas é preciso investir mais

Brasil tem níveis de irradiação maiores do que os países líderes em produção de energia solar – Foto: DivulgaçãoBrasil tem níveis de irradiação maiores do que os países líderes em produção de energia solar – Foto: Divulgação

Santa Catarina está entre os estados que mais produziram energia solar nos últimos anos, segundo ranking da Absolar – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, ao lado de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso e Paraná.

Segundo os estudos, o Brasil tem níveis de irradiação maiores do que os países líderes em produção de energia solar, como a Alemanha e a China, mas ainda carece de investimento na tecnologia. Considerando que o cenário atual é de constante expansão, o país tem potencial para se tornar uma das 5 maiores potências em produção de energia solar até 2030.

A data se refere ao ODS – Objetivo do Desenvolvimento Sustentável – ODS 7 – Energia Limpa e acessível, um dos objetivos da Agenda 2030, adotada durante a Cúpula das Nações Unidas (ONU) em setembro de 2015. A agenda global é composta por 17 objetivos e 169 metas a serem alcançados nos próximos 10 anos.

A utilização de energia solar só cresce no Brasil. Em 2019, o país alcançou o 1º Gigawatt (GW) de capacidade instalada de sistema fotovoltaico de geração distribuída. Isso é relativo à produção de energia solar residencial e em pequenos terrenos, o que indica uma popularização dos sistemas entre as comunidades. Este foi um marco importante, mas ainda existe um potencial muito maior a ser explorado.

O ranking de investimentos

Atualmente, o Brasil está na 11ª posição mundial no ranking de investimento em energia solar. Segundo dados da Absolar, já são mais de 2.000 megawatts (MW) em usinas de geração centralizada solar fotovoltaica em operação no Brasil e a previsão é que o número praticamente dobre até 2022.

Até 2018, mais de 30 mil residências e empresas utilizavam energia solar no país. E os números só aumentam. Segundo informações da nexen, o cenário é de crescimento, e quanto mais a produção e a demanda crescem, mais acessíveis ficam os preços.

Além disso, a nexen salienta que existem no Brasil diversos recursos de financiamentos oferecidos por bancos, cooperativas e até mesmo pelas empresas que comercializam geradores fotovoltaicos.

Potencialidades e desafios

– Existem movimentos importantes de incentivo por parte do setor público. Um exemplo é a isenção de ICMS para quem usa energia solar, que já é realidade em todo o país.

– Atualmente também está em trâmite no Senado Federal o projeto de lei n° 5077, de 2019 que propõe a criação do Programa de Incentivo à Fonte Solar Fotovoltaica.

– Segundo a Agência Senado, a proposta do Senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), é garantir que num prazo de até 10 anos, pelo menos 7% da produção de energia do país seja de fonte fotovoltaica.

– Uma notícia que mostra um salto no investimento em energia solar no Brasil é a de que será construído aqui o segundo maior parque solar do mundo!

– O projeto foi aprovado e terá um investimento de aproximadamente 5 milhões. A construção do parque é uma iniciativa da Enesf – Energias do São Francisco e será construído na cidade de Canindé de São Francisco, em Sergipe. O projeto foi desenhado para 1.200 MW de capacidade instalada e será construído em uma área de 2,4 mil hectares.

Energia acessível e limpa

Imagem de uma célula solar em um painel fotovoltaico – Foto: DivulgaçãoImagem de uma célula solar em um painel fotovoltaico – Foto: Divulgação

Segundo a ONU, entre 1990 e 2010 o número de pessoas com acesso à eletricidade aumentou em 1,7 bilhões. Ainda assim, uma em cada cinco pessoas ainda não têm acesso à eletricidade.

Os esforços para incentivar a energia limpa resultaram na geração de mais de 20% da energia global por fontes renováveis ​​desde 2011, mas como a demanda por energia barata aumenta com crescimento populacional, é necessário aumentar substancialmente a produção de energia renovável em todo o mundo.

Segundo a ONU, a expansão da infraestrutura e a atualização da tecnologia para o fornecimento de energia limpa em todos os países em desenvolvimento é um objetivo crucial, que pode estimular o crescimento e ajudar o meio ambiente.

Garantir o acesso universal à eletricidade por custo razoável até 2030 significa investir em fontes como energia solar. A adoção de padrões econômicos para uma gama mais ampla de tecnologias também pode reduzir o consumo global de eletricidade por edifícios e indústria em 14%.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Tecnologia