Saiba o que são as luzes misteriosas que apareceram no céu em todo o Brasil

Fenômeno que apareceu no início da noite desta quarta-feira (12) surpreendeu moradores em diversos pontos do país

Não é todo o dia que avistamos luzes enfileiradas no céu. O fenômeno que apareceu na noite desta quarta-feira (12), surpreendeu moradores em diversos pontos do Brasil. As luzes brilhantes puderam ser vistas por volta das 19h.

Luzes brilhantes puderam ser vistas no céu nesta quarta-feira – Foto: Reprodução/Twitter/ND

Nas redes sociais, internautas chamaram a atenção para o evento e se questionaram sobre o que poderia ser aquela fileira de pontos brilhantes. Seriam discos voadores? O nd+ conversou com o diretor do Observatório Astronômico de Brusque, Silvino de Souza, para entender melhor o acontecimento.

O que são?

O observador explicou que as luzes são pequenos satélites artificiais lançados da Terra por foguetes. A constelação de satélites faz parte de um projeto chamado Starlink, da empresa norte-americana SpaceX. O objetivo do projeto é colocar 24 mil satélites em órbita até 2022.

Eles serão utilizados, principalmente, para formar uma rede universal de internet banda larga. Além disso, o Starlink também pretende ser ampliado para levar sinal de GPS.

Cerca de 60 satélites são projetados a cada lançamento. Os equipamentos ficam, em média, a uma distância de 300 km e levam 90 minutos para completar uma volta em torno da Terra.

Brilho chama a atenção

Os satélites se alinham no céu como uma locomotiva, pois estão praticamente na mesma órbita. Silvino comenta que os equipamentos são visíveis, geralmente, no pôr do sol, entre 18h e 19h30 e ao amanhecer, entre 4h30 e 5h30.

“O que faz eles brilharem tanto é que os painéis refletem muito a luz do sol. Na verdade, eles não têm brilho próprio, mas atuam como espelhos dos raios solares”, diz.

Satélites Starlink da empresa norte-americana SpaceX – Foto: Starlink/Divulgação/ND

Conforme Silvino, os satélites têm magnitude, medida do brilho na astronomia, aproximada de 1, menos intensa que a do planeta Vênus (-4) e da lua (-12) – quanto menor o número, mais intenso o brilho.

“Como as pessoas não têm o costume de olhar para o céu, os satélites chamam a atenção e elas se perguntam ‘será que são discos voadores?'”, brinca. O observador ressalta que existe a possibilidade de avistá-los novamente.

Repercussão no Twitter

+

Tecnologia