33 Giga

Blog de tecnologia com serviços e notícias quentes da área. Dicas, tutoriais, testes e muito mais, de forma simples e descomplicada.


Trump ficará fora do Facebook por dois anos

Trump ficará fora do Facebook por dois anos - Imagem de Gerd Altmann por PixabayTrump ficará fora do Facebook por dois anos - Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

strong>*Por Vivaldo José Breternitz

O Facebook anunciou a suspenção de Donald Trump por dois anos. O comunicado foi feito nas redes sociais, ressaltando que, ao fim de 24 meses, seu Oversight Board avaliará novamente o caso.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

O Board é um grupo independente que supervisiona as medidas tomadas pelo Facebook, a fim de garantir que sejam justas e transparentes. A rede social havia banido Trump definitivamente em 7 de janeiro.

Agora, volta atrás, por determinação do Oversight Board, reduzindo o tempo de ostracismo para dois anos. Mas, mesmo assim, reafirma que as ações do ex-presidente constituíram uma violação grave das regras – ao final desse período, o Facebook avaliará se as ações e declarações de Trump ainda são riscos à segurança pública.

Leia mais:
Ferramenta aponta se seu gosto musical é compatível com o de amigos
As 50 maiores músicas pop da história
Karaokê online: site encontra músicas instrumentais no YouTube

Dependendo dessa avaliação, o ex-presidente poderá ser readmitido, ter a suspensão prorrogada ou então, ser banido definitivamente. A penalidade se estende às contas que o ex-presidente mantém no Instagram. O Twitter também baniu Trump.

O Oversight Board disse que a decisão inicial, o banimento definitivo, foi arbitrária. De acordo com o comitê, Trump deveria ter sido tratado como os demais usuários das redes, de forma transparente.

Antes de ser suspenso, o ex-presidente tinha cerca de 35 milhões de seguidores no Facebook e 88 milhões no Twitter. Esses números tornam o banimento arbitrário um tema delicado, dado o poder das rede sociais, que, se tomarem partido em eleições, podem comprometer o processo democrático.

*Vivaldo José Breternitz, Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie.