Ciclone vira tempestade subtropical ‘Potira’; veja os impactos em SC

Defesa Civil emitiu alerta para a condição de mar agitado com riscos de ressaca e ondas de até 3 metros de altura a partir da manhã desta terça-feira no litoral catarinense

Uma área de baixa pressão atmosférica se organizou sobre o oceano, entre o litoral de Santa Catarina e do Rio De Janeiro formando um ciclone com características subtropicais, segundo informações do portal Climatempo.

Marinha do Brasil classifica nova tempestade subtropical Potira – Foto: Reprodução/ClimatempoMarinha do Brasil classifica nova tempestade subtropical Potira – Foto: Reprodução/Climatempo

Na manhã da segunda-feira (19), a Marinha do Brasil caracterizou este sistema como uma depressão subtropical.

A baixa pressão atmosférica continuou evoluindo, e nesta terça-feira (20), a Marinha classificou este sistema oficialmente como tempestade subtropical, que recebeu o nome de “Potira”.

Entenda o nome ‘Potira’

Quando um ciclone tropical ou subtropical alcança a classificação de uma tempestade, ele é batizado com o nome de uma lista prévia, feita pela Marinha do Brasil. Este é o décimo segundo já ocorrido na costa do Brasil, batizado de “Potira”.

Em 2018, a Marinha atualizou a lista de nomes para possíveis ciclones que se formem na costa brasileira, que são nomes indígenas.

Confira a lista de tempestades subtropicais já ocorridas no Brasil:

  • Arani (tempo furioso) – março 2011 – RJ/ES
  • Bapo (chocalho) – fevereiro 2015 – SP
  • Cari (homem branco) – março 2015 – SC
  • Deni (tribo indígena) – novembro 2016 – RJ
  • Eçaí (olho pequeno) – dezembro 2016 – SC
  • Guará (lobo do cerrado) – dezembro 2017 – ES/BA
  • Iba (ruim) – março 2019 – BA
  • Jaguar (lobo) – maio 2019 – RJ
  • Kurumí (menino) – janeiro de 2020 – ES/RJ
  • Mani (deusa indígena) – final de outubro de 2020 – ES/RJ
  • Oquira (broto de folhagem) – dezembro 2020 – RS

Impactos em SC

A previsão é que a tempestade subtropical “Potira” fique até o final de semana no mar. A Defesa Civil emitiu um alerta para a condição de mar agitado com riscos de ressaca e ondas de até 3 metros de altura a partir da manhã desta terça-feira no litoral catarinense.

“Devemos ter mar agitado, ventos de sudeste a leste com rajadas de até 60 km/h em alto mar, nas praias os ventos devem chegar a 40 km/h”, explica o meteorologista Piter Scheuer.

“A distância da costa será suficiente para não trazer grandes impactos. Desta forma, os efeitos serão sobre o mar. Existe a possibilidade de ressaca e não se aconselha a navegação nos próximos dias”, completa.

+

Tempo