Termômetros de Ratones, em Florianópolis, chegam a 0ºC

Frio se espalhou por todas as regiões de Santa Catarina esta semana e a Capital não foi exceção. Saiba como os moradores da região estão se mantendo aquecidos

O frio se espalhou por todas as regiões de Santa Catarina esta semana e a Capital, Florianópolis, não foi exceção. Mas o manezinho não se intimida, sabe quando está frio e como se proteger das temperaturas baixas. A reportagem do Balanço Geral Florianópolis foi até o suposto bairro mais frio da Ilha, Ratones, para descobrir como os nativos se mantêm aquecidos.

“Todo o inverno dá uns dias que é de estraçalhar mesmo. Frio para encardir”, disse o empresário Elcio Tomaz da Silva.

Termômetros de Ratones, em Florianópolis, chegam a 0ºC – Foto: Reprodução/NDTV RecordTVTermômetros de Ratones, em Florianópolis, chegam a 0ºC – Foto: Reprodução/NDTV RecordTV

Na casa da aposentada Érika Xavier, o sinal de que esfriou está na chaminé. Quando o fogão a lenha entra em ação, é como voltar no tempo. “Nós fomos criados no interior, no campo. Então, era o fogão a lenha. O fogão a gás veio depois e era pouco usado, muito mais no verão, é claro. No inverno, basicamente era o fogão a lenha. Não só para cozinhar, mas para aquecer a casa, para reunir a família em torno do fogão à noitinha para contação de histórias. É uma memória afetiva muito forte que eu tenho. É a raiz mesmo”, lembrou ela.

Lenha no fogão é sinal também de que vai sair um cafezinho para espantar o frio. Dizem que a comida fica melhor quando feita no fogão a lenha. E o café tem outro sabor?

“Sim, fica sempre mais saboroso. Até porque o fogão a lenha remete um aconchego e, como sempre dizem, o melhor lugar da casa é a cozinha. Se você estiver ali preparando um alimento com esse calorzinho do fogão a lenha, sempre nos remete a um carinho de mãe, uma comida boa, momentos aconchegantes”, respondeu o aposentado Roberto Luis de França.

No amanhecer desta quinta-feira (29), os termômetros marcaram zero graus em Ratones. Deu até geada. O gelo cobriu os campos e os carros. Com esse frio todo, até para sair o pãozinho nosso de cada dia fica mais difícil.

Segundo o empresário Elcio Tomaz da Silva, com o frio, “para trabalhar é muito difícil. O forno esquenta, mas o pão não cresce. As coisas não vêm, tem que botar mais fermento, tem que botar água quente. Olha, é um saragaço com esse tempo de frio. Aqui na padaria não é fácil”.

Estação meteorológica do Carijós, em Canasvieiras, a mais próxima de Ratones, registrou mínima de 1,8ºC – Foto: Reprodução/NDTV RecordTVEstação meteorológica do Carijós, em Canasvieiras, a mais próxima de Ratones, registrou mínima de 1,8ºC – Foto: Reprodução/NDTV RecordTV

Segundo a Epagri/Ciram, a estação meteorológica do Carijós, em Canasvieiras, a mais próxima de Ratones, registrou mínima de 1,8ºC às 5h da manhã. O meteorologista Marcelo Martins explicou que o frio se concentra “naturalmente nas áreas mais verdes, mais arborizadas e também nas altitudes, ou seja, nos topos dos morros e bairros como Ratones, que tem uma área verde muito significativa”.

Fica difícil escapar do frio. Então, o jeito é achar uma forma de conviver com esse gelo todo. Érika já desenvolveu suas próprias técnicas para driblar as temperaturas baixas: “A gente fica mais em casa, come mais”.

Confira como foi a manhã gelada em Florianópolis no vídeo.

+

BG Florianópolis

Loading...