Três dias após passagem de ciclone, 193 pessoas ainda estão desalojadas em Santa Catarina

Além disso, outras 25 pessoas estão desabrigadas, ou seja, necessitam de um abrigo promovido pelo governo. Os dados são da Defesa Civil de SC

Quase três dias após a formação do ciclone no litoral catarinense, na última terça-feira (29), a Defesa Civil de Santa Catarina segue realizando o levantamento dos estragos totais. Segundo o boletim divulgado nesta sexta-feira (3), ao menos 193 pessoas ainda estão desalojadas.

Ciclone também deixou estragos em casa no bairro Ratones, em Florianópolis – Foto: Anderson Coelho/ND

Além disso, outras 25 pessoas estão desabrigadas, ou seja, necessitam de um abrigo promovido pelo governo estadual ou municipal.

A reportagem do nd+ entrou em contato com a Defesa Civil do Estado em busca de informações sobre para onde os desabrigados foram transferidos. No entanto, até às 17h, não houve retorno por parte do órgão.

Leia também: 

Ainda segundo o boletim da Defesa Civil do Estado, 4.059 residências foram danificadas e outras quatro foram completamente destruídas. Assim como 18 instalações públicas também foram danificadas.

Nove mortes e dois desaparecidos

Nove mortes foram registradas até o final da tarde desta sexta-feria (3) por conta do fenômeno climático. A última foi de Miraci Fernandes, de 37 anos, que estavam em um automóvel, atingido por uma árvore derrubada pelo vento, em Itaiópolis, no Planalto Norte, na última quarta-feira (1°).

O Corpo de Bombeiros Militar segue na busca de outras duas pessoas que estão desaparecidas. Uma delas é Vilson Saramento, de 53 anos, que estava passando pela ponte sobre o Rio Tijucas, quando a estrutura cedeu, em Canelinha.

A equipe do Corpo de Bombeiros Militar também segue em busca de um homem, de 28 anos, que desapareceu no Rio Itajaí-Mirim, em Busque. Ele passava por uma ponte pênsil durante o vendaval da última terça-feira (30) quando caiu na água e não foi mais avistado.

+

Tempo