Ventos atingem 81 km/h em Santa Catarina nesta segunda

Ciclone bomba passa distante da costa e não provocou estragos; até a madrugada desta terça (15), os ventos devem perder força, diz Defesa Civil

Até às 17h30 desta segunda-feira (14), não foram registradas ocorrências ou estragos pela Defesa Civil de Santa Catarina em virtude do Ciclone Bomba que passa pela costa do Estado. Até então, a rajada de vento mais forte registrada foi de 81 km/h, no município de Balneário Arroio do Silva, no Litoral Sul catarinense.

Na região da Grande Florianópolis, a rajada mais forte atingiu 61 km/h, refletindo um ciclone que passa longe da costa, segundo a Defesa Civil. Na ocasião registrada no fim de junho no Sul do Brasil, as rajadas beiraram os 170 km/h e causaram uma série de estragos em residências.

Ventos de até 80 km/h devem atingir o Estado – Foto: Willian Ricardo/ND

“Apesar de ser um ciclone bomba, a tendência é sentirmos um vento maior na parte costeira, mas algo completamente diferente do ciclone bomba do dia 30. Naquela ocasião, causou estragos pela frente fria que veio junto [com o fenômeno]”, afirma o coordenador de Monitoramento e Alertas da Defesa Civil de Santa Catarina, Frederico Rudorff.

Foram emitidos avisos meteorológicos, e recentemente, alertas via SMS para a população que mora no litoral catarinense, como modo de prevenir possíveis danos, mesmo que estes “não sejam esperados.”

A previsão do último alerta, das 16 h, era de ventos entre 66 km/h e 89 km/h no Litoral Norte. Permanece a recomendação de manter-se longe de árvores, postes e similares, além de ficar abrigado em casa.

O órgão também prevê que até o fim da noite desta segunda (14), o ciclone deve se afastar da costa, fazendo com que os ventos percam força. Mesmo durante a tarde, a previsão é que o ciclone fique longe da costa e sem apresentar riscos.

“Para se ter uma ideia, se você traçar uma linha reta do litoral da Argentina em direção ao centro do ciclone extratropical, a distância é a mesma que daqui [Florianópolis] a Salvador. Por causa da rotação da terra ele [ciclone] tem a obrigação de ir para alto mar. Daqui a seis horas ele estará quase na África”, explica o meteorologista da Epagri/Ciram, Marcelo Martins, em entrevista ao nd+.

Vento forte, mar agitado

Apesar de não apresentar previsão de danos, a Defesa Civil estima um mar bem agitado enquanto o ciclone estiver atuando. As ondas de Sudoeste/Sul podem ter picos de 2,5 a 3 metros de altura, até a madrugada de terça (15).

Há também risco de ressaca, que atingirá todo o litoral catarinense, o que faz as autoridades desencorajarem atividades de pesca, esportes náuticos, assim como banhar-se no mar ou caminhar e pedalar na orla.

+

Tempo