VÍDEO: temporais causam destelhamentos e quedas de árvores no Oeste de SC

Ventos foram podem ter chegado a 70Km/h. Segundo a Defesa Civil, os municípios mais atingidos foram Catanduvas, Vargem Bonita, Água Doce, Ibicaré e Tangará

O temporal com fortes pancadas de chuva e granizo deixou estragos intensos no Oeste e Meio-Oeste catarinense nessa sexta-feira (14). Segundo a Defesa Civil, os municípios mais atingidos foram Catanduvas, Vargem Bonita, Água Doce, Ibicaré e Tangará, de acordo co as primeiras informações.

As ocorrências são principalmente de destelhamentos, vidros quebrados, estruturas que sofreram quedas. Os ventos podem ter chegado a 70Km/h em várias regiões, segundo previsão da Epagri/Ciram.

Equipes das Defesas Civis locais estão todas mobilizadas, mensurando os estragos e prestando apoio à população. Até às 19h, ainda não haviam balanços consolidados sobre a extensão dos estragos.

“O socorro as vítimas e a primeira resposta está em andamento pelo Corpo de Bombeiros Militar, SAMU e PMSC e os levantamentos de danos estão sendo realizados pelas defesas civis municipais, já há informações de que o granizo e o forte vento provocaram destelhamentos e queda de árvores”, afirma a entidade.

Leocir Bonjiovani, da Secretaria de Obras de Vargem Bonita, não possui um dado preciso dos estragos, afirmando apenas que eles foram muito grandes. No momento, atua distribuindo lonas para a população que foi atingida pela chuva.

Além disso, as chuvas deixaram rodovias obstruídas, como oito pontos (um já foi resolvido) da SC-453, entre Ibicaré e Tangará.

No município de Catanduvas foram 235 ocorrências de famílias que tiveram suas casas destelhadas ou danificadas, e a administração providenciou cerca de 10 mil metros de lona para evitar danos maiores.

Isso, ainda sem incluir os dados das regiões ao interior da cidade, que não tiveram os estragos mensurados.

“A ocorrências não foi de vendaval no município, foi uma chuva de granizo com início às 15h30. Houve uma perda material grande, de veículos casas, e tiveram duas famílias desalojadas”, afirma Everaldo Gabriel da Costa, coordenador da Defesa Civil na cidade.

Há previsão que o prefeito decrete situação de emergência em virtude dos estragos.

+

Tempo