Joinvilense Pedro Boscardin se prepara para chegada ao tênis profissional

Recém-chegado aos 18 anos, atleta de Joinville demonstra "foco para manter bons resultados" em temporada de transição do juvenil para o adulto

A bolinha amarela que o tenista joinvilense Pedro Boscardin segura firme com a mão esquerda representa bem a determinação com a qual ele encara o atual momento da carreira.

Pedro Boscardin fez 18 anos nesta quinta-feira (28) – Foto: Yan Pedro/NDPedro Boscardin fez 18 anos nesta quinta-feira (28) – Foto: Yan Pedro/ND

Recém completados 18 anos na quinta-feira (28), Boscardin sai da menoridade para dar início à vida adulta – cheia de novas responsabilidades e novos desafios – como a passagem para a categoria adulta.

Pedro diz estar “focado para manter os bons resultados” neste período que pode ser de turbulência. Mas, para um voo mais tranquilo, o jovem atleta já tem um plano definido.

“Tem várias coisas para trabalhar, mas bastante a parte física porque no profissional a galera é bem mais forte e mais velha. E também a parte mental, saber que algumas derrotas são normais, mas continuar treinando e melhorando para seguir tendo resultados”, analisa.

Pedro Boscardin vê preparo físico como parte fundamental para sucesso no tênis profissional – Foto: Yan Pedro/NDPedro Boscardin vê preparo físico como parte fundamental para sucesso no tênis profissional – Foto: Yan Pedro/ND

Boscardin começa a temporada 2021 ainda mesclando competições da categoria juvenil – em que figura como o 19º no ranking mundial. Neste final de semana, no Joinville Tênis Clube, Pedro disputa o 2º Desafio R5 Investimentos de Tênis, competição adulta que vale R$ 5 mil.

“Essa transição é muito importante e bem difícil no tênis. Então, tem gente que vai muito bem no juvenil, chega na hora da transição e acaba se perdendo um pouco. E o contrário também acontece”, conta Pedro.

Mãe professora de tênis

Pedro tem apenas 18 anos, mas a história dele com a raquete e a bolinha amarela já é escrita há pelo menos 12 anos. “A minha mãe é professora de tênis. Então, desde os cinco e seis anos, eu ia para a academia com ela. Ela dava aula, eu pegava uma raquete e começava a bater bola”, conta Boscardin.

“Aos poucos fui gostando, levando jeito e indo bem. Ganhei alguns campeonatos e deu certo. Está dando certo até agora”, conta o tenista que mora no bairro Anita Garibaldi e treina até hoje na cidade.

Referências no tênis e encontro com Djokovic

Como qualquer garoto apaixonado pelo esporte, Pedro Boscardin tem suas referências no tênis. “Desde pequeno, sempre olhei pro (Rafael) Nadal. Ele é meu ídolo. Não pelo estilo de jogo, mas pela raça que ele demonstra em quadra, sempre me motivou muito”, conta o jovem, mencionando o multicampeão jogador espanhol.

Com Nadal, conta Pedro, ele conseguiu apenas uma foto – como fã. Mas, em outubro de 2020, o joinvilense pode bater bola com o sérvio Novak Djokovic. “Djoko quase não aguentou”, brincou ele, citando também o nervosismo no começo do treino.

Impacto da pandemia

Em um ano marcado pela pandemia da Covid-19, os esportes não ficaram de fora das restrições impostas pelo vírus. No tênis, diversas competições foram canceladas.

“Foi muito difícil, acho que para todo mundo. Para mim também foi, até porque eu adoro viajar. Fiquei 2 a 3 meses sem viajar, aos poucos fui voltando com viagens aqui pelo Brasil”, relata o jovem.

No ano passado, ele conquistou dois vice-campeonatos, na Colômbia e Costa Rica, e passou para a segunda rodada de Roland Garros na categoria juvenil – o que ajudou a mantê-lo entre os 20 melhores do mundo no juvenil.

O objetivo em 2021, revela Pedro, é terminar no Top 10 do ranking juvenil. “É uma meta alcançável e estamos trabalhando para isso”, finaliza o joinvilense.

Acesse e receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Tênis