Caminhoneiros de Chapecó não vão aderir à greve da categoria

Presidente do Sindicam de Chapecó afirmou que em uma reunião com a Fecam/SC ficou decidido a não adesão à greve

Os caminhoneiros reclamam do alto do preço de combustíveis e, por isso, ameaçam paralisar as atividades nesta segunda-feira (1º). A mobilização não é consenso de todos da categoria, inclusive em Santa Catarina, a Fecam/SC (Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Santa Catarina) é contrária a essa paralisação.

Caminhoneiros de Chapecó, segundo o presidente do Sindicam, não participarão da greve que acontece em alguns pontos do país – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/NDCaminhoneiros de Chapecó, segundo o presidente do Sindicam, não participarão da greve que acontece em alguns pontos do país – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/ND

O presidente do Sindicam de Chapecó (Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens de Chapecó), Antônio De Matos Pinto, afirmou que não haverá mobilização da categoria em Chapecó.

“Tivemos uma reunião com a Fecam/SC na semana passada e decidimos em não apoiar a mobilização porque entendemos que agora não é o momento por conta da pandemia”, comenta o presidente do Sindicam de Chapecó.

Além do preço de combustíveis, os caminhoneiros reivindicam o baixo preço do frete e o descumprimento da lei que prevê o piso mínimo de fretes.

Nesta manhã de segunda-feira (1º), o Ministério da Infraestrutura e a PRF (Polícia Rodoviária Federal) divulgaram boletim informando que as rodovias federais tinham fluxo normal, sem pontos bloqueados.

As principais entidades do Brasil se manifestaram contrárias à manifestação. A CNTRC (Conselho Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas), inclusive, orientou os caminhoneiros e apoiadores para ficarem parados em casa. Além disso, àqueles que estejam no trânsito ou em pontos de parada, a orientação é que sigam as normas de saúde, como o distanciamento social, uso de máscara e álcool em gel.

“A categoria está praticamente falida porque leva prejuízo. O frete está alto, o custo para o caminhoneiro está alto, mas por enquanto a orientação é não paralisar”, conclui o presidente do Sindicam de Chapecó.

Acesse e receba notícias de Chapecó e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Trânsito