“É uma dor que não tem palavra”, desabafa pai de adolescente morto em Joinville

André de Faria desaba ao falar do filho Ryan, atropelado e morto em fevereiro deste ano; também está indignado a indenização de R$ 33 mil proposta pelo Ministério Público

Na casa da família Valler de Faria, no bairro João Costa, zona sul de Joinville, não tem sido fácil continuar tocando a vida. Isto porque no dia 21 de fevereiro deste ano o adolescente Ryan André Valler de Faria, 16 anos, morreu após ser atropelado.

André pai de RyanAndré: “todo o cuidado que a gente tinha com ele e vem um cara desses vem e acaba com nossa vida” – Foto: Reprodução vídeo TV/Divulgação ND

O quarto do menino virou um memorial como forma de homenageá-lo. Ryan adorava ler, estudar e colecionar objetos antigos.

“Não sei o que vou fazer. A dor que estamos sentindo não tem palavras. Eu brincava com ele. Todo o cuidado que a gente tinha com ele e vem um cara desses vem e acaba com nossa vida”, fala, em lágrimas, o pai André de Faria.

A falta de Ryan desde aquele domingo, dia 21, tem sido dolorosa demais para o casal e a irmã mais nova. Para a Polícia Civil, o que ocorreu não foi um acidente até porque as perícias descartaram a hipótese de morte acidental.

O motorista Darjan de Borba Rosa Pereira da Silva que dirigia o Citroen C4 fez uma ultrapassagem próximo a um cruzamento na Avenida Francisco Alves e atingiu em cheio, na contramão, o menino Ryan, que andava de bicicleta sobre uma ponte.

Recentemente, mais uma indignação vivida pela família: o acordo proposto pelo Ministério Público. 

A 18ª Promotoria de Justiça propôs indenização de R$ 33.000,00 à família  de Ryan. Além disso, Darjan terá de prestar serviços comunitários por 15 meses, sete horas por semana (totalizando 450 horas), e terá a carteira de habilitação suspensa por dois meses. 

“Que lei é essa? questiona o pai, que continuou “ele (MP) mostrou que é normal a pessoa morrer de atropelamento e não virar em nada. A indignação pelo total desamparo da justiça”, desabafa o pai. A mãe compartilha do sentimento de indignação, tristeza e revolta.

Michele Valler de Faria, mãe de Ryan, também convive com a dor da falta do filho querido – Foto: Reprodução vídeo/Divulgação NDMichele Valler de Faria, mãe de Ryan, também convive com a dor da falta do filho querido – Foto: Reprodução vídeo/Divulgação ND

Eles lembram que, pouco antes do acidente, Ryan pediu para plantar sementes de uma goiabeira com a irmã menor. Agora, para a família, ela é o símbolo de que a vida precisa continuar, mas com eterna saudade e amor.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Trânsito