‘Meu coração está dilacerado’, fala mãe de ciclista morta em ciclofaixa de Joinville

Thais Dias Gonçalves tinha 25 anos e tinha ido matricular a filha na escola quando foi atropelada por motorista bêbado

“Meu coração está dilacerado, mas preciso juntar os pedacinhos e me refazer porque tenho minha filha, meus três netos, meu genro e meu esposo que precisam de mim. Preciso me refazer para ajudar”. A dor de Adriana Dias dos Santos está no rosto abatido, na voz trêmula e nas lágrimas derrubadas pela filha, de apenas 25 anos. Thais Dias Gonçalves morreu depois de ser atropelada por um motorista bêbado na sexta-feira (22), enquanto estava na ciclofaixa, em Joinville, Norte de Santa Catarina.

Thais Dias Gonçalves tinha 25 anos e foi atropelada na ciclofaixa, na zona Norte de Joinville – Foto: Adriano Mendes/NDTVThais Dias Gonçalves tinha 25 anos e foi atropelada na ciclofaixa, na zona Norte de Joinville – Foto: Adriano Mendes/NDTV

Thais chegou a ser socorrida e encaminhada ao hospital em estado gravíssimo, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na noite de segunda-feira (25).  A jovem tinha saído de casa para matricular a filha na pré-escola e, na volta, foi atingida violentamente pelo carro dirigido por Carlos Batista Bento, de 23 anos.

Ele tentou fugir, mas foi impedido por moradores da região e preso em flagrante pela Polícia Militar. Segundo a PM, o teste do bafômetro apontou que ele havia bebido três vezes mais do que o permitido. Apesar de preso, ele foi liberado um dia após o acidente após pagamento de fiança.

A dor, a revolta e o pedido de justiça se misturam no coração e na fala da mãe. “Eu não tenho sentimento de ódio porque eu ainda posso colocar a minha cabeça no travesseiro, mas ele pode? Com duas vítimas, deixou meus netos órfãos, deixou esposo, filho especial, neto que dependia da outra mulher. Que sirva de alerta para todos os motoristas que se embriagam e pegam o volante. A minha indignação é com a justiça. A polícia prende e por R$ 10 mil solta a pessoa para poder se embriagar de novo, ceifando vidas e deixando filhos órfãos por aí”, diz.

Nas lembranças, o que fica é uma Thais alegre, carinhosa, amorosa e “mãezona”, fala Adriana. “Ela era uma filha maravilhosa, mãe guerreira, uma leoa defendendo seus filhos. A Thais era uma mãezona, era parceira, ela e a mana eram como unha e carne, tenho muita dor pela minha outra filha porque sei que ela está sofrendo muito”, conta.

Thais deixa dois filhos e uma filha, todos menores de seis anos – Foto: Arquivo Pessoal/DivulgaçãoThais deixa dois filhos e uma filha, todos menores de seis anos – Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

Mãe de três filhos, Thais deixa um menino de pouco mais de um ano, um menino de 4 anos e uma menina de 5 anos, que ela estava indo matricular quando foi atropelada. O sorriso fácil de uma mulher guerreira é o que vai ficar na memória do padrasto, Joacir Moreno. Ele lembra que criou Thais desde os cinco anos, como se fosse sua filha. “Era uma menina boa, obediente, trabalhadora, ótima mãe para os filhinhos dela”, fala.

O acidente causa revolta e a mãe alerta a todos os motoristas. “Se isso acontece no horário da saída da escola, quantos ele teria pegado? Eu peço para colocar a mão na consciência antes de pegar um volante. Minha filha trabalhava, era casa, tinha três filhos que agora ficam órfãos com a imprudência de um alcoólatra”, lamenta.

Thais será sepultada às 14h, no Cemitério Parque Jardim das Flores, na zona Norte da cidade. Além dela, Lindacir Rodrigues da Silva Morando, de 55 anos, também foi atingida e morreu ainda no local do acidente, no bairro Jardim Paraíso.

A reportagem tentou entrar em contato com o motorista, mas não obteve retorno.

*Com informações de Valdir Bezerra, repórter da NDTV Joinville

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Trânsito

Loading...