Motorista de app se masturba e passageira salta de carro

Vítima solicitou uma viagem ao trabalho e pulou do veículo por sentir medo do condutor; homem foi preso e autuado em flagrante por importunação sexual

A Polícia Civil do Ceará prendeu um homem de 23 anos suspeito de se masturbar enquanto fazia uma corrida por aplicativo, em Fortaleza.

O motorista teria cometido o crime contra uma passageira de 37 anos que solicitou uma viagem para ir ao trabalho, na manhã de 27 de janeiro. As informações são do site BHAZ.

Passageira contou à Polícia que pulou do carro em movimento antes de chegar ao trabalho – Foto: Pixabay/Divulgação/NDPassageira contou à Polícia que pulou do carro em movimento antes de chegar ao trabalho – Foto: Pixabay/Divulgação/ND

Segundo a corporação, a vítima procurou as autoridades após se jogar do veículo em movimento. Ela disse que pulou do carro por sentir medo do condutor. Ainda de acordo com a vítima, o homem começou a fazer perguntas de cunho sexual, a exibir tatuagens e começou a se masturbar.

A passageira esperou o momento em que o veículo estava mais próximo ao trabalho e, com medo, pulou. Ela pediu ajuda a pessoas que passavam pela rua e foi à polícia na sequência. A empresa pela qual o motorista dirige não foi divulgada.

De acordo com informações da vítima, os policiais encontraram o carro utilizado pelo suspeito. O homem foi levado à delegacia e foi reconhecido pela passageira. Assim, diante dos fatos, o homem foi preso e autuado em flagrante por importunação sexual.

Crimes

O crime de estupro está previsto no art. 213, e consiste em “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”. Mesmo que não haja conjunção carnal, o criminoso pode pegar uma pena de seis a 10 anos de cadeia.

O art. 217 prevê crime de estupro de vulnerável configurado quando a vítima tem menos de 14 anos ou, “por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência”. A pena varia de 8 a 15 anos.

Já o crime de importunação sexual, que se tornou lei em 2018, se caracteriza pela realização de ato libidinoso na presença de alguém e sem sua anuência.

O caso mais comum é o assédio que mulheres sofrem no transporte coletivo como ônibus e metrô. Anteriormente, isso era considerado apenas uma contravenção penal, com pena de multa. Agora, quem praticá-lo poderá pegar de um a cinco anos de prisão.

+

Trânsito