Motorista tem que pagar, diz mulher que perdeu marido em atropelamento no Sul da Ilha

"Destruiu uma família e ainda por cima fugiu sem prestar socorro", falou Camila

Reprodução Facebook/ ND

Camila, que também foi atingida pelo carro, contou que viu o terceiro atropelamento

A noite que antecedeu a morte de Edvaldo Veloso Amaro, o Dede, 20 anos, foi entre amigos na rua do Juca, na Tapera, onde um bloco de sujos animou a comunidade na segunda-feira (8). Por volta de 22h, com a festa ainda rolando, ele e a esposa Camila Franceschetti, 18 anos, voltaram caminhando para casa no número 66 da travessa Faisão.

:: Prisão de atropelador da Tapera é convertida em preventiva

No dia seguinte, Camila tinha que estar às 8h na praia do Campeche, onde ajudaria a tia em mais um dia de trabalho como vendedora ambulante. Saíram de casa antes das 7h, e quando se aproximavam do ponto de ônibus, foram atropelados pelo motorista Raulino Jacó Bruning Filho, 33, que estava embriagado e fugiu sem prestar socorro.

Camila lembra apenas de ser arremessada ao chão, após serem atropelados pelas costas: “Ele me atropelou, eu cai e quando levantei meu marido estava jogado no meio do mato, já morto. Eu ainda consegui ver quando o motorista atropelou a outra mulher que ia à frente”, contou Camila.

Dede trabalhava como servente de pedreiro, a mesma profissão do pai, e era casado havia dois anos com Camila. Eles moravam juntos com os pais de Dede, seu Evaldo e dona Lia. Uma irmã de Dede e sua avó moram no mesmo bairro, em uma rua próxima.

Entre a vizinhança, Dede era conhecido por ser um rapaz calmo, alegre e apegado à família. Horas depois de sua morte, amigos clamavam por Justiça. “O rapaz que cometeu esse assassinato tem que pagar por destruir uma família e ainda por cima fugir sem prestar socorro”, pedia Rosângela Demarch, 51, vizinha que viu Dede crescer.

Ainda abalada com o ocorrido, Camila também espera que o autor do atropelamento pague pelo crime que cometeu. “Ele tem que ficar preso, porque a vida do meu marido não vai voltar mais”, disse.

O corpo de Dede foi liberado do IGP na tarde desta terça-feira e seguiu para ser velado desde o início da noite no cemitério de Barreiros, em São José, onde será enterrado às 9h desta quarta (10).

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Trânsito

Loading...