Aventure-se: 3 trilhas para fazer nos cânions de Praia Grande

Ao todo, Praia Grande tem 13 cânions e 30 mil hectares de área protegida; veja as opções de trilhas na cidade, horário de funcionamento e o que levar para fazer a atividade

Imagine uma cidade com apenas 2,5 km² de ocupação urbana e mais de 250 km² de área rural. Toda essa extensão é rodeada por cânions que podem atingir até mil metros de altitude, repletos de uma vegetação exuberante. Cachoeiras, rios e piscinas naturais também fazem parte da paisagem que parece cenário de novela. Seja bem-vindo à Praia Grande, no extremo Sul de Santa Catarina.

Praia Grande é conhecida como a Capital dos Cânions do Sul do Brasil – Foto: Sander Trento/Secretaria de Turismo de Praia Grande/DivulgaçãoPraia Grande é conhecida como a Capital dos Cânions do Sul do Brasil – Foto: Sander Trento/Secretaria de Turismo de Praia Grande/Divulgação

O conjunto de cânions é obra de fissuras que foram se abrindo nas rochas e sendo alargadas pela água dos rios. Mas isso não é resultado do presente: essa formação rochosa data de mais de 150 milhões de anos e contou com a ajuda de muitos fenômenos da natureza, como a erupção de vulcões e a ação do sol, da chuva e dos ventos.

Praia Grande possui um total de 13 cânions. Alguns deles podem ser avistados no Centro da cidade, como o de Malacara. Imagine estar no perímetro urbano e rodeado pelas gigantescas muralhas naturais. O município fica na parte baixa dos cânions, no vale formado por eles. Agora veja só que curioso: se embaixo fica o município catarinense, na parte superior, no planalto dos cânions, fica uma cidade do Rio Grande do Sul chamada Cambará do Sul.

O conjunto de cânions faz parte de dois importantes parques: o Parque Nacional Aparados da Serra e o Parque Nacional da Serra Geral. São quase 30 mil hectares de área protegida que atravessam três cidades: as catarinenses Praia Grande e Jacinto Machado e a gaúcha Cambará do Sul.

Os parques são redutos de grande biodiversidade e morada de aves como o papagaio-de-peito-roxo, do guaxinim e de felinos como a jaguatirica e o leão-baio. Mas fique tranquilo: devido ao intenso movimento de pessoas, os felinos não costumam dividir o espaço com os humanos. Quer uma boa notícia? Você pode conhecer tudo isso de perto, desbravando e contemplando a imensidão natural. Pelas cidades catarinenses você terá acesso à parte baixa dos cânions. As bordas, que são os campos da parte alta deles, são acessadas pela cidade gaúcha de Cambará do Sul.

Vamos lhe apresentar três trilhas que te levarão a três cânions da região. A visita a cada um deles deve ser feita com o acompanhamento de um guia certificado pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), responsável pelo gerenciamento dos parques nacionais.

1. Cânion Itaimbezinho

Cânion Itaimbezinho tem seis quilômetros de extensão rochosa – Foto: Sander Trento/Secretaria de Turismo de Praia Grande/DivulgaçãoCânion Itaimbezinho tem seis quilômetros de extensão rochosa – Foto: Sander Trento/Secretaria de Turismo de Praia Grande/Divulgação

É no Parque Nacional de Aparados do Sul que fica um dos cânions mais famosos do Brasil: o Itaimbezinho. São quase seis quilômetros de extensão de paredão rochoso, com uma largura de dois quilômetros e profundidade que varia de 600 a 750 metros.

Pela cidade de Praia Grande é possível acessar o interior do cânion pela Trilha do Rio do Boi. São cerca de 14 quilômetros e em média 6 horas de caminhada, considerando ida e volta.

Você passará por vegetações da Mata Atlântica, irá caminhar no leito do rio entre os paredões do cânion e até tomar banho em piscinas naturais e cachoeiras, dependendo de como estiver o tempo, claro. A visão é deslumbrante!

O acesso à trilha é feito pelo Posto de Informação e Controle Rio do Boi, a 11 quilômetros do Centro de Praia Grande. Atenção! Para entrar na trilha é preciso apresentar documento com foto.

Nível da trilha

Esta trilha é considerada de nível alto de dificuldade. Você não precisará fazer percursos com subida. Todo o trajeto é plano, mas exige certo condicionamento físico já que o terreno é irregular. Há trechos de muitas pedras, lama e água, na travessia do rio.

Horário de funcionamento 

A trilha abre de terça a domingo. Às segundas-feiras fica fechada. A entrada na trilha é das 8h às 13h.

2. Cânion Fortaleza

O Cânion Fortaleza é o maior atrativo do Parque Nacional da Serra Geral. Seus paredões podem chegar a 800 metros de altura ao longo dos seus 7,5 quilômetros de extensão. O acesso à parte baixa do cânion é pela cidade de Jacinto Machado, a cerca de 30 quilômetros de Praia Grande.

A caminhada de cerca de 14 quilômetros e duração de 6 horas (ida e volta) é pela Trilha do Tigre Preto. O caminho percorre o Rio da Prata, o responsável pela erosão que formou o cânion..

Ao longo do percurso você irá se deparar com algumas piscinas naturais, incluindo o Poço do Beija Flor, e a cachoeira Piazza. Desse poço, você terá uma vista privilegiada dos paredões que lembram muralhas, como aquelas que protegiam fortalezas medievais. Está aí a origem do nome do cânion.

Aproveite essa incursão no coração do Fortaleza e observe a biodiversidade que o cerca. São inúmeras aves, como o Macuco, flores e vegetação verdejante que tornam o cenário espetacular.

Nível da trilha

Esta trilha é considerada de alta dificuldade, por causa da irregularidade do terreno, o que exige bom condicionamento físico e equilíbrio ao passar pelos terrenos pedregosos e molhados.

Horário de funcionamento 

A trilha abre todos os dias e seu acesso é permitido das 8h às 13h.

3. Cânion Malacara

A trilha no Cânion Malacara leva cerca de quatro horas para ser concluída – Foto: Sander Trento/Secretaria de Turismo de Praia Grande/DivulgaçãoA trilha no Cânion Malacara leva cerca de quatro horas para ser concluída – Foto: Sander Trento/Secretaria de Turismo de Praia Grande/Divulgação

O Cânion Malacara está dentro da área do Parque Nacional da Serra Geral. Pela cidade de Praia Grande é possível conhecê-lo por baixo, em sua cratera. Cercada pela Mata Atlântica, você passará ao lado dos impressionantes paredões do cânion. Em diferentes momentos do percurso é necessário fazer travessias por dentro do rio.

O trajeto tem cerca de sete quilômetros e passará por piscinas naturais de águas cristalinas. São cerca de 4 horas de caminhada, considerando ida e volta e pausas para contemplação da natureza. Observe bem a diferença da vegetação da parte baixa do cânion, de Mata Atlântica Mista, e da parte superior, formada por Mata Nebular, característica dos campos da serra. A mudança se deve por conta da altitude. Os sons da natureza são variados pela trilha e ficam por conta de aves como tucanos, sabiás, pica-paus, entre outros que fazem morada por lá.

Nível da trilha

Esta trilha é considerada de nível leve a moderado, considerando o terreno irregular e extremamente pedregoso.

Horário de funcionamento 

A trilha fica aberta todos os dias da semana e o acesso pode ser feito das 8h às 15h.

Que roupa usar e o que levar para fazer trilha?

Para fazer trilhas, a indicação é sempre usar roupas leves para caminhada. Meias longas e caneleiras são importantes para se proteger contra animais peçonhentos e batidas em pedras pelo caminho. Outro ponto fundamental é o calçado: use algo fechado, confortável e com um bom solado, pois o terreno é escorregadio.

Como essa trilha passa por rio, considere levar roupas de banho e toalha. Além desses itens, coloque na mochila protetor solar, repelente, capa de chuva, lanche e saco de lixo para juntar seus resíduos.

Explore mais conteúdos da cidade