Chácaras de Campo Alegre: a rotina e os sabores da vida no campo

- +
Campo Alegre é uma pequena cidade localizada no Planalto Norte de Santa Catarina. Com 506 Km² de extensão, apenas 132 Km² são de área urbana. Ou seja, outros 374 Km² são área rural. O que significa?

Que em Campo Alegre se tem a oportunidade de desfrutar de uma verdadeira vida no campo, e é possível fazer isso visitando ou se hospedando nas propriedades rurais da região que se abrem para que as pessoas desfrutem de suas histórias, rotinas e culinária local.

A beleza natural de Campos do Quiriri – Foto: Prefeitura Municipal de Campo Alegre/DivulgaçãoA beleza natural de Campos do Quiriri – Foto: Prefeitura Municipal de Campo Alegre/Divulgação

Para conhecer um pouco mais do município, separamos alguns caminhos e lugares.

Sítio Cambará

O sítio é uma ótima opção para quem quer se hospedar em Campo Alegre e busca tranquilidade, lazer e gastronomia. O local oferece trilhas monitoradas, participação nas atividades rurais do dia a dia da família e guiamento de 4×4 para os Campos do Quiriri. O espaço conta com três chalés para hospedagem e também possui estrutura para a realização de eventos como confraternizações e casamentos.

Quem se hospeda no sítio aproveita também os produtos produzidos na região, como queijos coloniais, embutidos artesanais, doces, geleias, pães e biscoitos caseiros. E o melhor de tudo: essa variedade toda também está à venda para quem quer levar o sabor de Campo Alegre para casa. Aos finais de semana é possível agendar passeios a cavalo e compra de produtos do sítio. Quando é dia de lua cheia, a família Farias, proprietária do espaço, organiza cavalgadas diurnas e noturnas.

Endereço: Rodovia Municipal 090, 7722 – Telefone: (47) 3632 8185

Sítio Cambará – Foto: DivulgaçãoSítio Cambará – Foto: Divulgação

Campos do Quiriri

Estes é um dos lugares mais procurados para quem visita Campo Alegre.

A visitação ao local é feita mediante agendamento. O Campos do Quiriri é um conjunto de montanhas de cerca de 30 cumes e a altura de um varia entre 1.300 e 1.580 metros. De lá é possível avistar o mar e algumas cidades da região Norte de Santa Catarina, como Joinville, Garuva, Itapoá, São Francisco do Sul e até a Baía da Babitonga. O Campos do Quiriri fica a 56 quilômetros do Centro da cidade e a estrada que leva até lá não é pavimentada, para chegar apenas com carro de tração 4×4.

Telefone: (47) 996803558 (Ederson)

Instagram: @camposdoquiriri

Refúgio Monte Olimpo – Foto: DivulgaçãoRefúgio Monte Olimpo – Foto: Divulgação

Refúgio Monte Olimpo

A Pousada Refúgio Monte Olimpo fica numa propriedade rural de 320 mil m², de Nazilda e Halio Kalbusch. A dez quilômetros de distância do Centro e Campo Alegre, o lugar é um refúgio perfeito, onde se tem contato profundo com a natureza, com os hábitos do campo e também com a história.

Dentro da propriedade fica a cachoeira Salto do Imigrante. Foi a força dessas águas que durante os anos de 1930 a 1950 impulsionaram as turbinas de uma empresa que produzia pasta mecânica, uma espécie de farelo produzido pela raspagem de araucárias, usada na fabricação de papel. A fábrica foi pioneira na industrialização do município.

O antigo casarão foi reestruturado para que as acomodações fossem ampliadas, assim como as salas e espaços de refeição. O local conta com dez suítes e quatro quartos, além de espaços abertos com explorações que inclui uma trilha até a cachoeira, acompanhamento no tratamento dos animais, do pomar e da horta orgânica pelos proprietários.

Endereço: Estrada Geral da Avenquinha ao Salto, 3201.

Telefone: (47) 99616 4141

Recanto Santa Helena

O Recanto Santa Helena também é uma propriedade familiar rural que abre suas portas aos turistas. Distante 14 quilômetros do Centro de Campo Alegre, por lá é possível visitar a propriedade, acompanhar os cuidados com a criação e gados, ovelhas, galinhas e porcos, além de também se deliciar com a comida rural.

Os proprietários servem almoços e cafés coloniais mediante agendamento. No cardápio, a comida é majoritariamente da própria propriedade. Para o café da tarde, todos os produtos são caseiros, feitos no recanto, e isso inclui cucas, doce de leite, queijo colonial, queijo frescal, iogurte natural, pães, mel e geleias. Os proprietários também vendem produtos coloniais.

Outro destaque do local é a forma como os animais são cuidados, tendo em vista o bem-estar de cada um deles. A ordenha é feita manualmente, sem uso de equipamentos e os bezerros crescem junto com suas mães. Até a alimentação deles é, em sua maioria, produzida no recanto.

Endereço: Estrada do Saltinho

Telefone: (47) 99188 0681

Sítio Ponte de Pedra

O Sítio Ponte de Pedra está localizado às margens da estrada Dona Francisca, antiga Estrada Imperial Dona Francisca.

O local é repleto de história, a começar por seu nome, que se deve a uma centenária ponte que foi construída por escravos no ano de 1884. Aliás, é possível tomar banho de rio, que fica aos pés da ponte.

Estrada Dona Francisca, em um registro feito em 1915: parte da história – Foto: Reprodução/NDEstrada Dona Francisca, em um registro feito em 1915: parte da história – Foto: Reprodução/ND

Os turistas ficam hospedados em uma casa estilo enxaimel, que conserva a arquitetura e os móveis de antigas gerações. Já as refeições são servidas em um antigo paiol. O local oferece caminhadas, visitas ao pomar da propriedade, banho de cachoeira, passeios a cavalo ou de carroça, além de vendas de produtos coloniais.

Conheça a Serra Dona Francisca

Sugestões de novos roteiros pela rota no Norte catarinense

O caminho para se chegar até Campo Alegre é, por si só, um passeio deslumbrante. A estrada da Serra Dona Francisca perpassa Joinville, Campo Alegre, São Bento do Sul, Rio Negrinho e Mafra, ligando a região Norte do Estado ao Planalto Norte. A estrada passa no meio da Mata Atlântica, oferecendo aos visitantes uma vista incrível. Por isso a dica é parar um pouco no mirante à beira da estrada para apreciar a paisagem.

Serra Dona Francisca – Foto: DivulgaçãoSerra Dona Francisca – Foto: Divulgação

O trecho total da serra é de cerca de 20 quilômetros. Por quatro deles, o percurso possui um total de oito curvas fechadas que demandam atenção de quem está dirigindo. Pelo caminho surgirão casarões, pontos de venda de artesanatos, comidas artesanais e coloniais, como salames, queijos, cachaça, geleias, entre outros.

Para quem quer conhecer um pouco mais da história da estrada e também gosta de aventura, uma opção é fazer o Circuito das Araucárias de Cicloturismo. São 248 quilômetros percorridos de bicicleta. A rota é dividida em oito trechos que incluem as cidades e Campo Alegre, Corupá, Rio Negrinho e São Bento do Sul. O circuito passa por vários trechos do traçado original da estrada pelos trilhos da ferrovia construída em 1913.