Criciúma tem a única mina de carvão aberta à visitação na América Latina

Apenas sete minas de carvão inativas são abertas à visitação no mundo inteiro; veja o que conhecer e como chegar na mina de visitação Octavio Fontana, em Criciúma

O carvão mineral é um combustível que teve papel significativo na história da humanidade. Formado no subsolo pela compactação de material orgânico por milhões de anos, foi uma das primeiras fontes de energia utilizadas pelo homem e amplamente usado durante a Revolução Industrial para movimentar as máquinas.

A imagem mostra a entrada da mina de visitação Octavio Fontana, em CriciúmaMina de visitação Octavio Fontana esteve em operação por 30 anos – Foto: Equipe Sou Bem

É o combustível fóssil com maior reserva no planeta. Embora seja explorado em diferentes países ao redor do globo, apenas sete minas de carvão inativas são abertas à visitação no mundo inteiro. Uma delas está em Santa Catarina, a única na América Latina.

É na cidade de Criciúma, no Sul do Estado, onde se encontra a mina de visitação Octavio Fontana. O local, que atualmente é ponto turístico, esteve em operação entre os anos de 1960 e 1990. A mina leva o nome do ex-agricultor que foi concessionário de sua exploração por 30 anos em Criciúma.

O local, hoje percorrido por visitantes, foi espaço de trabalho de mais de 200 funcionários que se revezavam em turnos para extrair do solo o minério conhecido pela região como ouro negro.

A extração de carvão é parte importante da história de Criciúma. O ciclo do carvão, que iniciou por volta dos anos de 1910, foi responsável pelo desenvolvimento econômico e social da cidade. O auge da extração foi entre as décadas de 1940 e 1970, período em que o município ficou conhecido como Capital Brasileira do Carvão.

Segundo o polo de Criciúma da Agência Nacional de Mineração (ANM), foram registradas cerca de 40 minas no subsolo do município. No entanto, esse número pode não ser exato, pois muitas delas, antigas, não possuíam mapas e registros oficiais.

Desde 2013, não há mais minas em operação na cidade. Diversas se tornaram inativas por alcançarem o limite de extração do carvão, como foi o caso da mina Octavio Fontana. Quase 20 anos após o fim de sua operação, ela reabriu em 2011, mas com outra atividade: ser um ponto turístico e histórico de Criciúma.

Quer conhecer a mina de visitação Octavio Fontana? Então, desça com a gente ao subsolo e saiba o que encontrar e como visitar esse local que faz parte da história de Criciúma.

O que conhecer na mina de visitação Octavio Fontana em Criciúma?

Parte interna da mina de visitação Octavio Fontana, em CriciúmaInterior da mina de visitação Octavio Fontana – Foto: Sou Bem

O passeio pela mina de visitação Octavio Fontana pode ser feito a pé ou em uma mini locomotiva, que é réplica das que operaram na região na década de 1920.

A extensão total da mina se aproxima de dois quilômetros, mas a área de visitação se restringe aos 350 metros iniciais. O trajeto inicia em piso plano e chega a 24 metros abaixo da superfície. Ao longo de toda sua extensão, o terreno alcança 150 metros de profundidade. Essa parte, no entanto, ainda não está liberada para visitação.

Os visitantes caminham entre algumas galerias onde era feita a extração do carvão. No início da mineração, ainda sem equipamentos tecnológicos, o trabalho era feito manualmente, com uso de picaretas. Com o tempo, a atividade passa a contar com o auxílio de máquinas e explosivos.

Alguns desses equipamentos estão expostos na mina de visitação. É o caso do gasômetro, picareta, vagonetas – carrinhos para transportar o carvão dentro da mina – e até uma luminária usada nos anos de 1950. Além das ferramentas de trabalho, o visitante também encontra amostras de carvão e bonecos que representam os mineiros.

Todo o passeio dura em torno de 20 minutos e é acompanhado por guias especializados. Os profissionais explicam sobre a história do mineral, curiosidades da atividade mineradora e sua importância para Criciúma e outras cidades do entorno.

Quando visitar a mina Octavio Fontana em Criciúma?

A mina de visitação Octavio Fontana fica na Rua Quintino Dal Pont, no bairro Naspolini, em Criciúma – Foto: Equipe Sou BemA mina de visitação Octavio Fontana fica na Rua Quintino Dal Pont, no bairro Naspolini, em Criciúma – Foto: Equipe Sou Bem

A mina abre para visitação todos os dias da semana. Na segunda-feira, o horário de funcionamento é das 14h às 18 horas.

Nos outros dias, incluindo sábados, domingos e feriados funciona das 9h às 12 horas e das 13 às 18 horas.

A visita precisa ser agendada pelo contato (48) 3445-8734. O ingresso custa R$ 16 (inteira) e R$ 8 (meia entrada), tanto para quem quer fazer o trajeto a pé ou por locomotiva.

Onde fica e como chegar em Criciúma?

Criciúma está localizada na região Sul de Santa Catarina. São cerca de 205 quilômetros de distância entre Florianópolis e Criciúma.

O principal acesso é pela BR-101, com pedágio pelo caminho.

O município não possui aeroporto. O mais próximo que opera voos comerciais é o da cidade de Jaguaruna, a cerca de 50 quilômetros de distância.

Explore mais conteúdos da cidade