De Florianópolis para “Floripa”: entenda mudança de nome após discussão na Câmara

Coordenador do movimento “É Floripa” defendeu alteração do nome da Capital catarinense junto à Câmara de Vereadores

O coordenador do movimento “É Floripa”, o advogado José Braz da Silveira, esteve na Câmara de Vereadores da Capital, nessa terça-feira (3), para defender a mudança do nome da Capital catarinense. Para o movimento, a cidade deixaria de se chamar “Florianópolis” e adotaria o nome “Floripa”.

O advogado reiterou que o movimento realizou uma pesquisa em outubro de 2019 em que, segundo ele, 82 a cada 100 pessoas se mostraram favoráveis à mudança, 14 se mostraram contra e quatro não quiseram opinar.

Braz defende o nome “Floripa” para a Capital catarinense – Foto: Reprodução/YouTube

Ainda segundo Silveira, dos 82 que se mostraram favoráveis à mudança do nome, 72% querem o nome “Floripa”, 16% apontaram “Desterro” e os outros 12% citaram outros nomes.

O movimento foi criado em 16 de dezembro de 2019. Porém, o advogado afirmou que o trabalho vem sendo realizado “há muitos anos”.

“Floripa é um nome mais palatável, mais vendável, turístico, mais fácil de se pronunciar”, pontuou o advogado.

“Decidimos que o nosso primeiro ato público seria na Câmara em respeito aos nossos vereadores. E, sabendo que se conseguirmos o apoio para a mudança do nome da Capital, passaremos pelo parlamento municipal”, completou.

Leia também:

Plebiscito em 2022

Para Braz, o nome deve ser mudado porque “Floripa” “é um nome que o mundo inteiro consagrou”. “Nada mais justo do que transformá-lo em nome oficial da nossa cidade”, disse.

O advogado sugeriu que seja realizado um plebiscito na Capital em 2022, junto às eleições estaduais, para a decisão da população sobre a mudança de nome.

“Depois do plebiscito, basta o referendo desta casa legislativa por meio de lei e passaremos a adotar oficialmente o nome que todo mundo quer”, encerrou.

Origem do nome

Há milhares de anos os índios tupis-guaranis foram os primeiro habitantes da Ilha de Santa Catarina. Depois, foi a vez dos portugueses que partiam de São Vicente (SP) se abastecerem, antes de rumar ao Sul.

Explosão populacional da Capital começou com a fundação da UFSC, em 1960, e não parou mais – Foto: Carlos Damião

Muito tempo depois, chegou o bandeirante Dias Velho, que se instalou nestas terras com sua família. O lugar recebeu o nome de Nossa Senhora do Desterro, e, então, foi crescendo. Tornou-se município independente em 23 de março de 1976.

Após a Proclamação da República, em 1889, Santa Catarina resistiu ao novo governo. Queria ser independente. Porém, impedida pelas tropas federais, acabou ocorrendo uma guerra civil.

A vitória dos federais aconteceu quando o marechal Floriano Peixoto era o presidente da República. Assim, em 1894, o nome de Desterro foi mudado para Florianópolis, que significa “cidade de Floriano”, em homenagem a ele.

+

Turismo