Infraestrutura, mobilidade e saneamento são desafios do turismo em SC, dizem prefeitos

Realizada nesta quarta-feira, reunião avaliou atual temporada e listou problemas a serem superados

Mobilidade, infraestrutura rodoviária e aeroportuária, balneabilidade e saneamento básico foram os principais assuntos debatidos pelos prefeitos de oito cidades litorâneas (Florianópolis, Palhoça, Laguna, Governador Celso Ramos, Porto Belo, Bombinhas, Itapema e Balneário Camboriú) em reunião com integrantes do trade turístico de Santa Catarina. Em pauta, a atual e as futuras temporadas de verão.

:: Bombinhas lança novo edital para água e esgoto e pode romper com Casan

Marco Santiago/ND

Mais de 5,5 milhões de turistas já passaram pelo Estado nesta temporada, celebrou o trade

Apesar de considerarem este o melhor verão dos últimos 15 anos, sob a justificativa de que 5,5 milhões de turistas já passaram pelo Estado, injetando dinheiro em toda cadeia do turismo e gerando a expectativa de que a ideia inicial de ter 8 milhões de turistas ao fim da temporada seja superada, as autoridades reconheceram que os problemas de mobilidade e saneamento – que influencia a balneabilidade – são os maiores entraves da atividade. E esses problemas terão que ser combatidos com o fortalecimento das ações estruturantes do turismo.

Para tanto, e mesmo diante da alegada faltas de recursos, os prefeitos se comprometeram a executar obras estruturantes que ampliem as redes de esgoto e a buscar parcerias que viabilizem obras de mobilidade.

“Temos que trabalhar três itens: a . Em relação à balneabilidade, nossa meta é que não tenhamos nenhum ponto impróprio nas localidades em que há coleta. Esperamos para os próximos dias o lançamento da PMI (Proposta de manifestação de interesse) do aeroporto, já com dois ou três grupos interessados. E na mobilidade, estamos com a obra do anel viário, do acesso ao Sul da Ilha e do elevado do Rio Tavares”, enumerou Cesar Souza Júnior (PSD), prefeito de Florianópolis.

Ao abrir a reunião, Filipe Mello, secretário de Turismo do Estado, afirmou que a pasta reduzirá os gastos com eventos e festas e aumentará os investimentos em infraestrutura turística. Ele disse que os problemas de balneabilidade nas praias – 35% dos pontos do Estado estão impróprios para banho – são “pontuais”, e não representam Santa Catarina “como um todo”.

Sobre o papel da pasta no acompanhamento da crise ambiental e de saneamento pela qual passaram as praias de Perequê, em Porto Belo, e Canasvieiras, no Norte da Ilha, Mello garantiu que acompanhará passo a passo as ações da Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento) nos municípios em que ela opera o serviço, bem como nas cidades em que o serviço é municipalizado ou concedido a terceiros.

Frases

Edson Piriquito, prefeito de Balneário Camboriú

“Tivemos durante 2015 o maior número de turistas da história da cidade, com quatro milhões e meio de turistas durante o ano, e pico de um milhão e meio no Réveillon.”

Juliano Campos, prefeito de Governador Celso Ramos

“Somos hoje a menina dos olhos do turismo catarinense, e não recebemos do governo do Estado nesses três anos nenhum olhar diferenciado, precisou ganharmos a bandeira azul para recebermos atenção.”

César Souza Junior, prefeito de Florianópolis

“O desafio é o da infraestrutura. A balança cambial nos favoreceu este ano. Do ponto de vista econômico é a melhor temporada da história, mas também não é um movimento que vai permanecer por 10, 15 anos. Por isso, precisamos de infraestrutura.”

Filipe Mello, secretário de Turismo de Santa Catarina

“SC é um dos únicos estados do Brasil que produz um relatório e publica a balneabilidade de suas praias. Informa isso ao turista, que quando decide vir ao Estado tem a possibilidade de saber se aquela praia possui pontos próprios ou impróprios para banho.”

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Turismo

Loading...