O que fazer em Florianópolis quando chove?

Conheça alternativas históricas e culturais para curtir o Centro da Capital

Conhecida por suas praias paradisíacas e pelos agitos de verão, Florianópolis é uma das capitais mais desejadas durante a estação mais quente do ano.

Mas para turistas e moradores, a capital do estado também é referência em história e cultura e isso pode ser perfeitamente aproveitado nos dias de chuva.

No coração da cidade, a figueira da Praça XV de Novembro representa a força e vitalidade do município.

O conjunto arquitetônico da região central destaca em traços e cores as características dos colonizadores açorianos e de um passado que até hoje reflete não só a história da capital, mas de todo o estado.

Figueira da Praça XV de Novembro representa a força e vitalidade do município – Foto: Caroline Borges/NDFigueira da Praça XV de Novembro representa a força e vitalidade do município – Foto: Caroline Borges/ND

Palácio Cruz e Souza: história em cada detalhe

O Palácio localizado próximo da Catedral Metropolitana de Florianópolis foi palco de diversas solenidades e acontecimentos políticos e militares.

Conhecido pela cor rosada de sua fachada, o prédio foi construído pelo governador Brigadeiro José da Silva Paes com o objetivo de torná-lo o Palácio do Governo do Estado.

Por anos o prédio atuou dessa forma, recebendo autoridades, banquetes e abrigando famílias que passaram pelo poder do estado.

Em 1979 o local recebeu o nome de Palácio Cruz e Sousa, uma homenagem ao poeta catarinense que vencendo preconceitos raciais se tornou um dos um dos maiores precursores do movimento literário simbolismo no país.

Tombado como Patrimônio Histórico de Santa Catarina, o espaço passou por diversas reformas e restaurações, sem nunca deixar de lado as características originais e os acervos encantadores.

Conhecido pela cor rosada de sua fachada, o prédio foi construído pelo governador Brigadeiro José da Silva Paes com o objetivo de torná-lo o Palácio do Governo do Estado – Foto: Reprodução/@gabreu_oliveira/NDConhecido pela cor rosada de sua fachada, o prédio foi construído pelo governador Brigadeiro José da Silva Paes com o objetivo de torná-lo o Palácio do Governo do Estado – Foto: Reprodução/@gabreu_oliveira/ND

No local é possível apreciar aspectos da arquitetura dos séculos XVIII e XIX, além de ter contato com objetos e espaços que ajudam a contar a história de desenvolvimento politico, cultural e social do nosso estado.

O agendamento pode ser feito das 13h às 17h, de segunda a sexta-feira, na recepção do Museu ou pelo telefone (48) 3665 6363. As visitas ocorrem de segunda a sexta, das 13h às 17h e aos sábados das 10h às 14h.

Os passeios são guiados e realizadas com, no máximo, sete pessoas por grupo, a partir de um roteiro estabelecido que segue protocolos sanitários de segurança para evitar contágios por Covid-19.

Mercado Público: o melhor pescado da região

Muito além de bancas de peixe, temperos e artesanatos, o mercado público da Capital representa o jeito manezinho de ser. Caminhar pelos corredores do Mercado é ter a chance de entender como os nativos se comunicam, brincam e negociam.

Visitar o mercado público é vivenciar a alma da cidade – Foto: Bruna Stroisch/NDVisitar o mercado público é vivenciar a alma da cidade – Foto: Bruna Stroisch/ND

Os restaurantes espalhados pelo vão central reúnem turistas e moradores para uma experiência gastronômica típica no centro da cidade. Com o pescado fresco e um bom chopp gelado, visitar o mercado público é vivenciar a alma da cidade.

+

Destino SC