Pandemia cria novo perfil de turismo em Santa Catarina

- +
Depois do período de isolamento, o momento é de transição. Especialistas projetam tendência para viagens mais curtas e atividades ao ar livre

Foram mais de 40 mil empregos perdidos e o setor que representava 5,3% do PIB catarinense antes da pandemia sentiu o impacto econômico e social com a chegada do coronavírus e as medidas de isolamento social.

O avanço da vacinação e a redução nas medidas restritivas de circulação têm apresentado um período de adaptação no turismo.

Para especialistas, esse é um momento de transição, fundamental para os destinos turísticos captarem o novo viajante que, de início, está procurando viagens de curta distância, depois as domésticas e optando por destinos menos tradicionais e com oferta de atividades ao ar livre.

Especialistas projetam tendência para viagens mais curtas e atividades ao ar livre – Foto: Reprodução/NDEspecialistas projetam tendência para viagens mais curtas e atividades ao ar livre – Foto: Reprodução/ND

Segundo o professor doutor em turismo do IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina), Tiago Savi Mondo, na retomada do setor turístico há uma forte tendência – que já está acontecendo – do fortalecimento do turismo doméstico.

“As pessoas estão, como nunca, buscando os roteiros nacionais”, disse ele, ao justificar que esse direcionamento é consequência das fronteiras internacionais fechadas, com restrições ao Brasil e o preço do dólar.

Viagens regionais fortalecidas

A região turística Caminho dos Canyons, no extremo Sul catarinense, por exemplo, tem aproveitado o fortalecimento do turismo regional – quanto mais próximo de casa, melhor.

Na localidade estão os belos cânions do Parque Nacional de Aparados da Serra e da Serra Geral, que tem registrado um crescimento no pós-pandemia.

A cidade de Praia Grande é um bom exemplo dessa retomada turística. Essa recuperação do turismo na região tem nome e sobrenome: o voo de balão.

Isso mesmo, houve um boom na procura por esse atrativo. Empresários e empreendedores da cidade ouvidos pela reportagem apontam que 80% dos visitantes vão à procura do atrativo.

“Hoje o destino principal é o voo de balão. De 10 hóspedes, oito vieram para cá para fazer o passeio”, contou o empresário Argenir da Rosa Martins, proprietário do Chales Vale do Rio do Boi, em Praia Grande.

De acordo com ele, nos últimos dois meses, houve um crescimento de 60% a 70% no número de hóspedes. A maior parte deles vindos de Florianópolis, Porto Alegre (RS) e São Paulo.

Desde junho deste ano a cidade de Praia Grande possui o selo “Safe Travels”, classificação do WTTC (Conselho Mundial de Viagens e Turismo), com respaldo da OMT (Organização Mundial do Turismo), que reconhece os destinos seguros para viagens.

As tendências para o pós-pandemia

  • Destinos regionais deverão ser os mais buscados pelos turistas;
  • Roteiros mais curtos;
  • Espaços ao ar livre deverão atrair mais público que os locais fechados. 
  • Condições de limpeza das hospedagens serão priorizadas;
  • Maior digitalização dos serviços;
  • Comprovante de vacinação ou resultado de teste para Covid será obrigatório;
  • Disponibilização de álcool gel em aeronaves, hotéis e restaurantes será mantida.