Roteiro dos cânions: 4 cidades catarinenses para visitar

Os municípios de Praia Grande, Jacinto Machado, Timbé do Sul e Morro Grande contam com cânions para prática de esportes radicais ou mesmo para apreciar a beleza de suas paisagens

Cânions são formações geológicas, resultado da erosão de solo rochoso causado, geralmente, por um rio que esculpe as rochas ao longo de milhões de anos com uma ajuda das atividades das placas tectônicas. Esses paredões formam cenários belíssimos que podem chegar a quilômetros de profundidade, o que acaba atraindo muita gente, principalmente praticantes de esportes radicais. Mas seja pela beleza de suas paisagens ou pela adrenalina que proporcionam, esta é mais uma opção turística que Santa Catarina oferece.

Trilha do Rio do Boi, em Praia Grande – Foto: iStock/DivulgaçãoTrilha do Rio do Boi, em Praia Grande – Foto: iStock/Divulgação

O chamado Caminho dos Cânions é uma região que fica localizada no extremo Sul do estado e abrange 15 municípios, sendo uma boa opção para quem gosta tanto de praia quanto de regiões montanhosas, separadas por apenas duas horas de estrada. Esta região é o que vamos conhecer agora, então, podem vir, mas tomem cuidado com o desfiladeiro.

Parque de Aparados da Serra e Parque da Serra Geral

Localizados na divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul, e administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), os Parques Nacionais de Aparados da Serra e da Serra Geral são a grande atração da região. Do lado de cá da fronteira, temos os municípios de Praia Grande, Jacinto Machado, Timbé do Sul e Morro Grande. Já do lado de lá, destaque para Cambará do Sul. São tantas opções, cada um com sua característica, que vamos falar um pouquinho de cada uma delas.

Jacinto Machado

O destino está a 253 quilômetros de Florianópolis. 

Em Jacinto Machado temos o principal acesso ao Cânion Fortaleza, o maior da região com aproximadamente 1,2 quilômetro de altura e 7,5 quilômetros de extensão. O paredão proporciona uma série de lazeres, como as cachoeiras e quedas d’água em suas diferentes formas de acesso: algumas são em propriedades privadas com agendamento e cobrança de entrada; outras requerem guia turístico e equipamentos de proteção, mas todas valem a pena.

Outra atração que une geologia e história são as furnas, locais que serviam de esconderijo para os  indígenas (sobretudo Xoklengs) e para negros escravizados que fugiam mata a dentro na localidade do Engenho Velho. Há também lendas sobre tesouros escondidos por padres jesuítas.

Praia Grande

O destino está a 285 quilômetros de Florianópolis. 

No município de Praia Grande, uma outra opção de acesso ao Parque, temos a Trilha do Vértice (1,5 quilômetro), do Cotovelo (cerca de seis quilômetros) e a Trilha do Rio do Boi (nove quilômetros de caminhadas e uma característica mais rústica). Todas são com acompanhamento obrigatório por se tratar de um local de conservação. Destaque para os cânions Itaimbezinho e Malacara.

A região oferece boa estrutura turística, de hospedagem e muitas alternativas de atividades, como caminhadas rústicas, rapel, passeios de quadriciclo e a cavalo, incluindo também o divertido boia cross.

Timbé do Sul

O destino está a 266 quilômetros de distância de Florianópolis. 

Poço do Caixão, em Timbé do Sul. – Foto: Secretaria de Turismo de Timbé do Sul/DivulgaçãoPoço do Caixão, em Timbé do Sul. – Foto: Secretaria de Turismo de Timbé do Sul/Divulgação

Pouco dá para imaginar que na pacata Timbé do Sul estão algumas atrações com nomes assustadoramente sugestivos como o Poço do Caixão e a Serra da Rocinha. Os locais são tranquilos e dão bom divertimento, assim como o Morro das Antenas, na divisa da Serra Geral, conhecido por ser um dos melhores locais de voo livre do Brasil com vários eventos nacionais.

O Poço do Caixão e sua enorme piscina natural formada pelo Rio Serra Vermelha é o local de pouso das asa deltas que partem do Morro das Antenas. 

Já a Serra da Rocinha está a 1240 metros de altitude e serve para ligar os campos de cima da serra gaúcha. Desbravada por tropeiros, foram eles que abriram a primeira trilha para o cânion que recebeu o nome de Caminho dos Conventos, entre 1728 e 1730. Atualmente, o local segue em fase final de pavimentação. 

Morro Grande

 O destino está a 247 quilômetros de Florianópolis. 

Pico do Realengo, em Morro Grande – Foto: Prefeitura Municipal de Morro Grande/DivulgaçãoPico do Realengo, em Morro Grande – Foto: Prefeitura Municipal de Morro Grande/Divulgação

O município de Morro Grande é outro que também tem seu charme. O nome é dado por se localizar ao pé das grandes formações em seu entorno, o que dá uma outra perspectiva do que se encontra na região. As cachoeiras do local – muitas acessada apenas por caminhadas – são as principais atrações, e as furnas são cenários lindos dos esconderijos geológicos.

Mas é possível mudar essa perspectiva e ver Morro Grande de cima. Os caminhos dos tropeiros faziam para chegar à Serra Geral proporcionaram o trajeto feito atualmente para chegar ao topo dos cânions como o Pico do Realengo, que também dá visão dos de Criciúma e Araranguá, além de Torres, no Rio Grande do Sul. 

Explore mais conteúdos da cidade