SC europeia: conheça a influência da cultura açoriana em Florianópolis

Nos bairros, como Santo Antônio de Lisboa e Ribeirão da Ilha, a presença da cultura açoriana se mantém viva em Florianópolis nas construções, na rendeiras de bilro e festas tradicionais na cidade

As fortalezas de Santa Cruz Anhatomirim, de São José da Ponta Grossa e Santo Antônio de Ratones são marcas registradas de quando a Coroa Portuguesa começou a ocupar Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, e proteger o território contra possíveis ataques espanhóis.

Dom Pedro 2º esteve em Santo Antônio de Lisboa – Foto: Arquivo/Flavio Tin/NDDom Pedro 2º esteve em Santo Antônio de Lisboa – Foto: Arquivo/Flavio Tin/ND

A ilha já era ocupada desde 1675 por bandeirantes paulistas, mas foi apenas por volta de 1740 que passou a ser efetivamente povoada e começou a receber famílias açorianas para habitá-la.

A presença açoriana está em muitas partes da ilha. Vários exemplares da arquitetura colonial luso-brasileira reproduzem o estilo típico dos Açores nas pequenas igrejas coloridas e no estilo geminado das casas, especialmente em bairros tradicionais da Capital, como Santo Antônio de Lisboa e Ribeirão da Ilha.

Por esses e outros locais, você pode encontrar as rendeiras de bilro, uma tradição delicada e antiquíssima que aportou aqui junto com os açorianos.

A devoção ao Espírito Santo – celebrada no domingo de Pentecostes na Festa do Divino – é outra tradição viva trazida a Santa Catarina pelos portugueses. A festividade é considerada patrimônio histórico, artístico e cultural do Estado.

Quem sabe andando pelas ruas do Centro você não se depare com a Maricota, personagem do Boi de Mamão, ou com a dança do pau de fitas, em alguma celebração. Estando na ilha, aproveite a culinária à base de mariscos e pescados, com contribuições açorianas e indígenas.

Antes de ir embora, que tal uma arte esculpida no barro, feita por um oleiro tradicional?

Explore mais conteúdos da cidade