Suspensa há 10 meses, visitação à Ilha do Campeche é liberada

Mesmo com Florianópolis em nível gravíssimo no mapa de risco de contágio da Covid-19, prefeitura passou a permitir o turismo com capacidade reduzida em 50%

A visitação à Ilha do Campeche, um dos passeios preferidos dos turistas que visitam a Capital, foi liberada após alteração feita na última sexta-feira (8) na portaria nº 217/2021, publicada pela Prefeitura de Florianópolis, mesmo com a classificação do mapa de risco de nível gravíssimo.

O entendimento é de que, após a liberação de permanência das pessoas nas praias e por ter controle acesso, a visitação ao local pode ser feita com aplicação dos protocolos de segurança sanitária.

Visitação pública na Ilha do Campeche foi retomada em 31 de dezembro – Foto: Arquivo/Marco Santiago/NDVisitação pública na Ilha do Campeche foi retomada em 31 de dezembro – Foto: Arquivo/Marco Santiago/ND

A visitação à Ilha do Campeche ficou suspensa desde o início da pandemia, em 17 de março, levando prejuízo para barqueiros e pescadores que atuam em quatro associações de transporte de turistas.

Em 17 de dezembro de 2020, associações e órgãos envolvidos com a atividade foram reunidos pelo MPF (Ministério Público Federal) para assinatura de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que estabeleceu as regras de visitação em dezembro e ao longo de 2021.

Os signatários do TAC concordaram em manter o limite máximo de presença e desembarque na Ilha, com aplicação dos percentuais exigidos pelo protocolo municipal, de acordo com a caracterização de risco da pandemia na capital.

A visitação pública foi retomada em 31 de dezembro, quando o mapa de risco era grave e possibilitava 50% de ocupação ou 400 pessoas. Porém, com a mudança do mapa de risco para gravíssimo, a visitação voltou a ser suspensa no último dia 7.

Definições e regras para os visitantes

Com a alteração na portaria, foi definido que o nível de risco gravíssimo possibilita a ocupação da Ilha do Campeche com capacidade de 50%. De acordo com o superintendente municipal de Turismo, Fabio Queiroz, a alteração foi feita “após analisarmos que, além de ser muito importante para o sustento das associações e pescadores, também acaba sendo positivo para o turismo, e como a permanência nas praias está liberada, a gente entendeu que essa praia, que tem controle de acesso, seria uma praia com menos problema de taxa de ocupação”, explicou.

Ilha do Campeche – Arquivo/Marco Santiago/NDIlha do Campeche – Arquivo/Marco Santiago/ND

Na visita à Ilha, turistas precisam obedecer algumas regras como o uso obrigatório de máscaras durante a permanência na ilha, exceto para tomar banho de mar e alimentação, além de preencher um questionário de saúde antes de embarcar rumo à ilha, onde também é feita aferição de temperatura, sendo 37,8°C a temperatura de corte.

Já na Ilha, as trilhas podem ser percorridas por grupos de no máximo 10 pessoas, desde que seja mantido o distanciamento de 1,5 metro.

Com a restrição de capacidade, o turista que deseja fazer a visitação precisa se organizar e acordar cedo para garantir um lugar nas embarcações que saem de três pontos, a partir das 9h: Barra da Lagoa, Campeche e Armação.

Os valores variam de R$ 130 a R$ 180, e precisam ser pagos em dinheiro. O visitante também pode levar cadeira, guarda-sol, caixa térmica com bebidas e comidas, e o tempo de permanência é de quatro horas, dependendo do clima, pois temporais de final de tarde costumam abreviar o tempo de estada no local.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Turismo