Confira a homenagem do ‘Já é Mané’ ao poeta e compositor Zininho

Cláudio Alvim Barbosa completaria 92 anos neste sábado (8) e, em sua homenagem, o Já é Mané contou curiosidades sobre sua vida em uma edição especial

Que o poeta Zininho transformou seu amor por Florianópolis em arte não é novidade, mas existem muitas facetas deste artista apaixonado pela Ilha de Santa Catarina que não são tão conhecidas assim. Cláudio Alvim Barbosa, o poeta Zininho, completaria 92 anos neste sábado (8) e, em sua homenagem, o Já é Mané contou curiosidades sobre a vida do autor de “Rancho de Amor à Ilha” e tantas outras canções em uma edição especial, com participação de Rodrigo Stüp, o Guia Manezinho.

A começar pelo apelido do músico, inspirado no nome escolhido para ele pelo pai. Quando Zininho nasceu, em Biguaçu, na Grande Florianópolis, seu pai já tinha escolhido o nome “Orzino”. No entanto, na hora do batizado, o nome do bebê acabou virando Cláudio. Apesar da mudança, o apelido inspirado em “Orzino” continuou.

Zininho e Luiz Henrique Rosa, dois ícones da música florianopolitana. Em 2018 completam-e 20 anos da morte do autor do Rancho do Amor à Ilha – Foto: Acervo Carlos DamiãoZininho e Luiz Henrique Rosa, dois ícones da música florianopolitana. Em 2018 completam-e 20 anos da morte do autor do Rancho do Amor à Ilha – Foto: Acervo Carlos Damião

O programa também falou sobre o casamento de Zininho com Dona Ivette, o amor de sua vida. Assim que se conheceu, aos 18 anos, o casal fugiu do Estreito, onde morava, e foi se refugiar em Canasvieiras. Eles foram resgatados pela avó de Zininho que disse o seguinte: “se querem ficar juntos, vão ter que casar”. Duas semanas depois, em um dia 31 de dezembro, no Réveillon, os dois se casaram.

Outro episódio contado no Já é Mané News foi sobre o aterro da Baía Sul. Em decorrência da obra, que aconteceu em 1974, a cidade perdeu o Miramar. Indignado com a demolição do ponto de encontro de artistas e apaixonados pela cidade, Zininho transformou uma nota de repúdio enviada ao então prefeito Milton Severo em música.

Zininho também era um apaixonado pelo rádio. Foi na rádio que ele conheceu Neide Maria Rosa, sua maior parceira musical. Ela foi a primeira a gravar o “Rancho de Amor à Ilha!, canção escrita por Zininho em 1965, para um concurso da prefeitura.

Apesar de a música sempre ter feito parte de sua vida, o poeta já fez de tudo um pouco. Zininho foi um dos primeiros taxistas da cidade, na época em que os táxis eram chamados de carros de praça. Além disso, ele teve oficina mecânica, loja de discos, barbearia, estúdio musical e uma empresa de publicidade chamada Tabajara.

Conheça mais da história e do legado de Zininho na reportagem!

+

BG Florianópolis