Os projetos inacabados de Paulo Gustavo que não nos farão sorrir

O ator e comediante morreu em maio deste ano, vítima da Covid-19; ele ficou famoso por interpretar a Dona Hermínia, de "Minha mãe é uma peça"

O ator Paulo Gustavo morreu em 4 de maio deste ano, vítima da Covid-19. O comediante já tinha roteiro de filme pronto e alguns projetos em desenvolvimento.

Infelizmente, com a morte do artista, esses projetos continuarão inacabados, e não nos farão sorrir, mais uma vez.

Paulo Gustavo atuando em “Minha mãe é uma peça” – Foto: Divulgação/NDPaulo Gustavo atuando em “Minha mãe é uma peça” – Foto: Divulgação/ND

Novos projetos já estavam em andamento

O catarinense Anderson Baumgartner, agente e amigo de Paulo Gustavo, afirmou logo após a morte do artista, durante conversa em um programa de televisão, que o ator tinha um roteiro de filme e série prontos.

Segundo o agente, já haviam planos encaminhados para gravar uma nova série voltando a interpretar a personagem Dona Hermínia, de “Minha mãe é uma peça“.

Parte das gravações da série seriam feitas em estúdio, mas também em ambientes externos em Niterói, cidade do Rio de Janeiro na qual a história original é ambientada e local onde o comediante nasceu e cresceu com a família.

A produção seria dirigida por Susana Garcia Capri, amiga de Paulo Gustavo e irmã de Mônica Martelli que já comandou filmes da franquia “Minha Vida em Marte”.

Marcus Majella, que contracenaria com o humorista, contou que as gravações estavam previstas para começar em 2020, mas por causa da pandemia foram adiadas.

Anderson prestou diversas homenagens a Paulo Gustavo com publicações nas redes sociais. No perfil do Instagram, ele escreveu: “Os vários projetos que tínhamos? Faremos na próxima vida, porque nela eu quero voltar fazendo parte da tua e tu da minha. Te amo @paulogustavo31 pra sempre!”, disse o catarinense.

Ator pretendia transformar luta contra a Covid-19 em arte

A amigos próximos, Paulo Gustavo demonstrava interesse em fazer novos filmes. A diretora Susana Garcia relatou que o período que o comediante passou no hospital também servia de inspiração para criar novos projetos.

Enquanto esteve internado em virtude de complicações da Covid-19, Paulo Gustavo afirmou que pretendia transformar em arte a luta que travava em busca da recuperação da própria saúde. O artista confidenciou o projeto à Susana Garcia, sua amiga pessoal e com a qual dividiu trabalhos no cinema.

A diretora fez uma publicação homenageando o ator, que não resistiu à doença causada pelo novo coronavírus e faleceu. Em post no Instagram, ela detalhou conversas que teve com o amigo antes de ele ser intubado.

“Lembro um dia, antes de você ser intubado, que você me disse que estava sentindo muita falta de ar, mesmo com cateter de oxigênio, e que você estava feliz de ter comprado oxigênio para as pessoas”, escreveu Susana.

“Nesse dia no hospital, como sei o quanto você ama os seus amigos, eu comecei a falar de cada um deles e você se emocionou, chorou, a sua saturação caiu e eu na hora mudei de assunto e comecei a falar de projetos”, continuou a diretora. “Você disse que queria transformar todo aquele seu sofrimento em arte. Você começou a se empolgar e você é tão genial que inventou toda uma história linda que se passava no hospital. Tinha humor, amor e generosidade”, detalhou Susana Garcia.

Confira o texto completo

Comediante havia assinado contrato com plataforma de Streaming

Paulo Gustavo havia assinado um contrato de longo prazo com a Amazon para ser a principal estrela da plataforma de Streaming norte-americana, segundo o portal UOL.

O contrato teria início em janeiro de 2022, com duração de cinco anos. Até lá, Paulo Gustavo iria cumprir seus compromissos profissionais com a antiga contratante.

As conversas para fechar o contrato levaram mais de dois anos. Alguns fatores o ajudaram a decidir pela Amazon, como a internacionalização de sua carreira e a chance de assinar como produtor-executivo de seus projetos.

Em 2021, ele chegou a ter reuniões por videochamada com a direção da Amazon para começar a discutir novos projetos. A proposta era fazer séries, filmes e especiais de fim de ano. O contrato de Paulo Gustavo previa exclusividade e participação nos lucros, com uma cláusula segundo a qual receberia, além de um valor fixo anual, um complemento de acordo com a performance de cada obra.

Os próximos filmes dele poderiam estrear no cinema para depois migrarem para o catálogo do Streaming.

+

TV