Insegurança nos arredores do Terminal Cidade de Florianópolis assusta moradores e turistas

Balanço Geral Florianópolis

De segunda a sábado, às 11h50

Um terminal de ônibus que leva o nome da cidade. A estrutura é usada por milhares de moradores da Grande Florianópolis que precisam se descolar todos os dias da casa pro trabalho e do trabalho pra casa. A estrutura é usada por empresas de ônibus da região metropolitana e também para embarque e desembarque dos ônibus executivos.

Quem frequenta diariamente o Terminal Cidade de Florianópolis, se sente inseguro pelo número de moradores de rua que frequentam e dormem no local. Pedidos de dinheiro, comida e importunações. “De manhã cedo já acontece isso, se você não dá dinheiro, acaba sendo xingada”, reclama a dona de casa, Andréia Maria da Silva, que frequenta o local diariamente.

A estrutura pública é aberta e facilita a livre circulação das pessoas. A qualquer hora do dia a imagem mais comum são pessoas em situação de rua dormindo no terminal. Em média são 450 pessoas vivendo nessas condições em Florianópolis, segundo a Secretaria de Assistência Social da Capital. Como não há segurança privada no terminal, ao anoitecer o medo de quem precisa pegar um ônibus no local, acaba aumentando. “Das 18h30 em diante, o terminal é tomado por moradores de rua que bebem, usam drogas. Não temos segurança, nem polícia não tem”, relata a babá Elisete Gomes Vieira.

Leia também:

O terminal também é alvo de vandalismo, pichações são flagradas pra todos os lados. A Guarda Municipal diz que realiza constantemente operações no Terminal Cidade de Florianópolis. O problema é que as pessoas que vivem em situação de rua ficam migrando a todo o momento de um ponto ao outro.

“A Guarda Municipal executa hoje uma operação permanente na Praça 15 de Novembro, fazendo com que as pessoas que estão ali naquele espaço possam utilizá-lo. Então, os moradores de rua acabam migrando para outro local”, explica o comandante da Guarda Municipal de Florianópolis, Ivan Couto.

A Secretaria de Assistência Social explica que as abordagens acontecem diariamente. Uma ação conjunta envolvendo prefeitura, policia e Ministério Público. Mas, que tirá-los das ruas é algo que a lei não permite.

De acordo com o diretor do DOA (Defesa, Orientação e Apoio), Ricardo José de Souza, hoje está disponível a internação para os dependentes químicos que desejarem. “Infelizmente ainda não temos amparo legal, municipal, estadual ou federal para proibir aquele cidadão de ficar naquele local. Normalmente os orientamos a se levantar, pegar os pertences e seguir para outro local. Aí então fazemos a limpeza do local onde eles estavam”, explica o diretor.

Praça 15 também é alvo de insegurança

Próximo às 16h desta segunda-feira (19), a equipe de reportagem da RICTV Record flagrou o consumo de drogas no local, um dos pontos mais visitados de Florianópolis por moradores e turistas. O local fica ao lado do Terminal Cidade de Florianópolis.

Segundo a Guarda Municipal existem rondas no local durante o dia, porém, nem isso inibe a presença de usuários e tranficates que usam o espaço para a venda de drogas.

A equipe de reportagem da RICTV Record também conseguiu flagrar um grupo de quatro jovens vendendo drogas na Praça 15. Primeiro, um dos rapazes separa a droga, em seguida é possível ver ele repassando para um outro jovem.

Nem a presença dos policiais da cavalaria inibe a presença dos traficantes e usuários. O grupo flagrado pela equipe de reportagem foi abordado por policiais militares após a guarnição ver as imagens gravadas.

Mais vídeos