“Uso de sustentabilidade e inovação”, diz secretário Estadual da Defesa Civil sobre uso das peças da Hercílio Luz

Balanço Geral Florianópolis

De segunda a sábado, às 11h50

Bela e forte outra vez, a Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, está prestes a receber alta. Após anos na “UTI”, com elevados gastos, enfim a data de reabertura se aproxima. A mesma ponte que influenciou o destino dos catarinense há mais de 90 anos, vai ajudar a encurtar distâncias nos locais mais remotos do Estado.

As velhas peças não irão para um ferro velho. Serão cortadas, soldadas, moldadas e seguirão para o interior, com uma nova missão, formar mais de 800 pontes. “O Estado teria que fazer um leilão para vender como sucata e a gente vai transformar isso ai em prevenção. O uso de sustentabilidade, economicidade e inovação”, explica o secretário Estadual da Defesa Civil, João Batista Cordeiro.

Ponte Hercílio Luz deve ser reinaugurada no final do ano – Foto Flavio Tin/ND

No alto da Ponte Hercílio Luz ficam as barras de olhal. Todas as peças da ponte que foram substituídas, os andaimes e as estruturas estão sendo trazidas para um terreno a parte. No total são 1.800 toneladas. Até agora, não veio nem a metade, porém a quantidade já recolhida chama a atenção. “Nós conversamos com o secretário estadual de Infraestrutura, Carlos Hassler, e ele disponibilizou essa ferragem e a Defesa Civil está financiando está construção das pontes para substituir as ponte de madeira no interior do Estado”, explica Cordeiro.

Leia também:

Investimento milionário

A empresa que venceu a licitação para fazer o serviço é a mesma que está reforma a Hercílio Luz. A transformação das velhas peças em novas pontes terá o custo de R$ 4,95 milhões. “O consórcio que ganhou, a RMG Teixeira Duarte, irá receber a ordem de serviço na quinta-feira e a partir daí, ela tem prazo de até seis meses do uso deste material para entrega dos kits”, afirma Cordeiro. “A estimativa é de se produzir 460 pontes entre a Capital e o Litoral Norte”, completa.

Na década de 1920, quando a Hercílio Luz foi erguida, já foi feito algo semelhante. Na época, as peças que sobraram depois da construção foram usadas para fazer a ponte, entre Biguaçu e Tijucas, primeira ligação entre a Capital e o Litoral Norte.

Mudança no visual

Na parte superior o visual já mudou, porém, ainda falta tirar mais de mil toneladas de ferro da estrutura provisória montada embaixo da ponte para sustentar a estrutura durante a troca das barras de olhal. Já se sabe que ainda assim não vai ter ponte para atender a demanda de todos os municípios. Por isso, os prefeitos interessados devem agir rápido.

De acordo com Cordeiro, foi feita uma instrução normativa para os municípios que tem pontes de madeira, em condições mais precárias, e os municípios que investirem nas cabeceiras onde tem rodovias estaduais, terão prioridades. “A economia gerada é muito grande, temos os kit de transposição e a menor custa R$ 50 mil, e estas daqui vão custar menos de R$ 10 mil”, explica.

Mais conteúdo sobre

Mais vídeos