Vagas de estacionamento não respeitadas viram cena comum no Terminal Rita Maria, em Florianópolis

Balanço Geral Florianópolis

De segunda a sábado, às 11h50

As vagas para embarque e desembarque na rodoviária e no aeroporto de Florianópolis estão sendo mais fiscalizadas. As vagas rápidas, ao contrário do que o nome diz, não são respeitadas. Carros ficam vários minutos estacionados na vaga, interferindo na fluidez do trânsito da região e sujeito à multa.

A dinâmica é tão comum, que parece até normal. Muita gente para, deixa os passageiros, e permanece dentro do carro. Tem também quem chegue, desembarque e deixe o veículo estacionado com pisca alerta ligado. Em ambos os casos, há infração.

Uma infração tão corriqueira, que em poucos minutos com a presença da Guarda Municipal, praticamente todos os veículos parados recebem a notificação. Porém, o problema poderia ser evitado, se quem circula pelo terminal, respeitasse exatamente o que dizem as placas colocadas no local.

A sinalização é muito clara, a área é destinada para embarque e desembarque. O que parece de certa forma óbvio, acaba sendo confundido por várias pessoas, que deixam o carro no local por vários minutos.

A ação é irregular, independentemente do tempo que o veículo permaneça no local. Se não tiver gente entrando ou saindo do carro, ou carregando ou retirando bagagem, a situação já é considerada errada.

Leia também:

Guarda Municipal faz alerta

“É permitido que as pessoas cheguem e façam literalmente a operação de embarque e desembarque. Claro que isso pode variar em situações de idosos e cadeirantes, “explica o comandante da Guarda Municipal de Florianópolis, Ivan Couto. Ainda segundo o comandante, caso o veículo parado não esteja em uma dessas situações, a condição é considerada irregular.

A Guarda Municipal costuma fazer rondas no local, mas o uso incorreto da área de embarque e desembarque é tão frequente que, para controlar a situação em definitivo seria necessário uma equipe permanente no local.

Um dos casos mais comuns, segundo o comando, é de motoristas de aplicativo que estacionam no local para esperar novas corridas. O que também não é permitido. Os únicos veículos que possuem espaço reservado para aguardar passageiros são os táxis.

Problemas com motoristas clandestinos

Os motoristas que trabalham no terminal reclamam de outro problema envolvendo o estacionamento, a atuação de transportes clandestinos, que não estão vinculados a aplicativos, e sem qualquer regulamentação.

Segundo o presidente da Sinditaxi, Ivan Roberto da Silva, a situação é um risco para os passageiros, pois são pessoas sem nenhuma garantia de que irão fazer a viagem até o final, sem qualquer tipo de segurança.

A situação foi relatada aos órgãos de fiscalização e de segurança, mas de acordo com os taxistas, a atuação dos clandestinos continua intensa no terminal.

Após o aumento das denúncias, prefeitura, Guarda Municipal, Polícia Militar e representantes da rodoviária promoveram uma reunião na última sexta-feira (13), para organizar operações no terminal e no aeroporto, para coibir as irregularidades. A Polícia Militar notifica em torno de 600 motoristas por mês por infrações de estacionamento, só na rodoviária.

De acordo com o major Mauricio Gonçalves Viríssimo, da 1ª Região da Polícia Militar, o objetivo é garantir a fluidez e rotatividade. “Aqueles que insistem em continuar desrespeitando as placas de trânsito, infelizmente vai acabar sentindo no bolso”, afirma.

A infração é considerada grave e a multa passa de R$ 195, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro. À medida que ops agentes atuam, bastam minutos, para diferença ficar evidente. Enquanto não há fiscalização, as vagas passam a maior parte do tempo ocupadas, já com a viatura no local.

Mais conteúdo sobre

Mais vídeos