Dono de assinatura em aditivo da Ponte Hercílio Luz deve depor nos próximos dias

RIC Notícias SC

RIC Notícias SC

A CPI criada para investigar possíveis fraudes nas obras da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, deve chamar para depor o dono da assinatura de um aditivo milionário em um dos contratos de manutenção. O pedido foi protocolado nesta quinta-feira (4) na Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina).

Mais de 17 mil páginas foram estudadas sobre o processo. E diversos CDs com outras milhares de páginas estão sendo revistos. No meio dessas análises, é possível encontrar uma assinatura não identificada.

Em um contrato de manutenção no início dos anos 1990, consta o nome do dono da empresa, Sebastião Moraes Mattos, e ao lado uma assinatura que não é a dele. Questionado, o proprietário não soube explicar, mas em 22 de maio apresentou uma relação com os nomes dos funcionários daquela época. Foi então que se encontrou o dono da assinatura.

Leia também:

O aposentado José Ruiz, hoje com 85 anos, trabalhou na Ponte Hercílio Luz por 38 anos. Era um dos responsáveis por coordenar os trabalhos de conservação da estrutura. É dele a assinatura em um dos documentos de manutenção feito por uma empresa de Criciúma, no Sul de Santa Catarina.

Ruiz era supervisor administrativo e como a maioria das empresas era de outros lugares, ele recebia procurações com a total liberdade. Mas com essa empresa do Sul do Estado, que ficou por cerca de um ano no comando dos trabalhos, ele afirma não lembrar de ter assinado qualquer tipo de papel.

“A assinatura eu tenho certeza que é minha, a data é que eu estou em dúvida e também se eu tinha procuração para tal assinatura”, alega o aposentado.

Outro fato que chamou atenção do aposentado ao saber desse documento, é o valor. O aditivo seria de 15 milhões de cruzeiros, montante muito superior ao contrato em si, que era de 304 mil cruzeiros.

“Se temos um contrato com 304 mil, como é que temos um aditivo de milhões?”, indaga o aposentado. Agora, com a identificação do dono da assinatura, o deputado João Amin (PP), que faz parte da comissão da CPI, protocolou um ofício pedindo a inclusão de Ruiz na lista de testemunhas a serem ouvidas pela CPI.

“A gente espera que semana que vem seja aprovada e o seu José possa vir dar a sua contribuição para a CPI”, afirma o parlamentar.

José diz estar “bem tranquilo” e se for intimado a depor pretende levar todos os documentos acumulados durante os anos de trabalho e colaborar com o que for preciso.

Ao todo, 26 pessoas já foram ouvidas pela CPI, outras 10 já foram intimadas. Muitas outras ainda devem ser convocadas a prestar depoimento. Por conta disso a comissão foi prorrogada por mais 120 dias para poder dar conta de analisar o restante do material que faz parte dos anos 2000.

“Agora vamos chegar nos contratos mais recentes, que são aqueles que se dedicaram realmente a restauração da ponte Hercílio Luz, e não apenas a manutenção”, afirma o relator da CPI, deputado Bruno Souza (PSB).

Mais vídeos