Entenda o drama das baleias mortas em SC

...mas um problema já chama atenção no litoral catarinense desde antes

O mês de julho marca o início da temporada das baleias-francas no litoral brasileiro


SC é conhecida como
uma área de reprodução de várias espécies de baleias e, nesse ano, elas chegaram ainda mais cedo


Com a aproximação dos animais nas costas, na procura por alimentos, as baleias acabam feridas

por embarcações ou por acabarem enroladas em redes de pesca

Redes fixas de pesca são proibidas justamente pelo risco que trazem ao
meio ambiente

Em 2020, três
baleias-jubarte foram encontradas presas em redes de pesca. Já
são 22 baleias em 2021

Mas não são apenas as jubartes. No domingo (18/07), o primeiro
encalhe de baleia-franca aconteceu, um filhote
de 4,8 metros

Há uma tendência no aumento de encalhes no Brasil porque há mais baleias na costa de SC

Em 2002, eram cerca
de 3.500 baleias na
costa e, agora, quase 20 anos depois, são
mais de 20.000

Mas nem todas as mortes de baleias em SC são naturais e inevitáveis

Apenas em Florianópolis, já é a 10ª baleia avistada morta. Cinco foram encontradas presas com apetrechos de pesca

De 85% a 90% das baleias estão mortas quando encalham, enquanto
10% a 15% estão vivas

O projeto Baleia Jubarte defende formas de prevenção ou até deixar os equipamentos de pesca mais fáceis de serem detectados pelas baleias, como colocar um alarme sonoro, ou modificar o tipo de rede que é utilizado nesse período em que as gigantes do oceano migram pelo litoral

As baleias encontradas mortas são enterradas, normalmente, no mesmo local do encalhe

Muitas baleias chegam às praias em um estágio de decomposição avançado, dificultando a necropsia

Em muitos casos não há como identificar a causa da morte dos animais

Créditos
 Reportagem: 
Isabéli Bender / ND+
Imagens:
Emanuel Ferreira, R3 Animal, Instituto Anjos do Mar, Arquivo pessoal Meada, Prefeitura de BC, PMP-BS/Univille e Divulgação
Adaptação para Webstories:
Evelyn Cazão e
Thiago Santaella